Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 11/08/2016

18 casos graves da gripe registrados entre janeiro a junho

Quadro de Combate a Influenza-fotos Jorge Magalh_es (3)

11De janeiro a junho deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) registrou 18 casos das formas mais graves da gripe, definida como Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Os dados constam no Boletim Epidemiológico da semana 25/16. Destes casos, dois evoluíram a óbito.

 
Dos 18 casos registrados, nove deles foram classificados como SRAG não especificada, 03 casos classificados como SRAG por outros vírus respiratórios, 01 caso classificado como Influenza A (H1N1), 01 caso classificado como Influenza B e 04 casos estão em investigação. Dois casos evoluíram a óbito, cujo diagnostico foi 01 SRAG não especificada e 01 SRAG por outros vírus respiratórios.

 
Conforme o boletim, após investigação epidemiológica, constatou-se que o caso confirmado de Influenza A (H1N1), a pessoa, que é natural de Feira de Santana, adquiriu a infecção e se tratou em São Paulo. O caso evoluiu para cura.

 
De acordo com informações do Boletim Epidemiológico, a SMS realizou ações de capacitações dos profissionais de saúde, tanto da rede pública quanto privada, investigação em tempo oportuno, investigação de ações de vigilância, ações de educação em saúde, vacinação dos grupos de risco, conforme preconizado pelo Ministério da Saúde.

 
Influenza x Síndrome Gripal

 
A influenza, conhecida como gripe, é uma doença viral, aguda, benigna e o quadro da doença geralmente é resolvido em uma semana. Os sintomas são febre, calafrios, tremores, dor de cabeça, falta de apetite, tosse, dor de garganta e coriza.

 
O vírus influenza são transmitidos quando uma pessoa doente tosse, espirra ou fala. Algumas pessoas, como idosos, crianças, gestantes e pessoas com alguma comorbidade possuem risco maior de desenvolver complicações.

 
Em alguns casos a Síndrome Gripal pode evoluir com complicações levando a um quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Os sinais são a piora no quadro, levando ao desconforto respiratório e fazendo com que a pessoa respire mais vezes e com dificuldade, além de pressão baixa e desidratação. O aconselhável é buscar atendimento médico para o diagnóstico correto da doença.

 
Secom