Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 18/07/2014

99% das igrejas não ensinam que aborto é pecado, afirma missionária

173588_Papel-de-Parede-Explosao-sob-os-planetas_800x600 Enquanto no Brasil o tema do aborto é debatido na frente política, com uma firme postura da bancada evangélica sobre o assunto, as igrejas evangélicas de modo geral não fazem campanhas sobre o tema.

 

Por outro lado, os católicos vieram repetidas vezes a público tratar do assunto nos últimos anos, usando-o como tema na edição da Campanha da Fraternidade de 2008. Como este é um assunto que veio a tona fortemente nas últimas eleições presidenciais, espera-se que o mesmo ocorra em 2014.

 

Do outro lado do mundo, na China, o aborto não é apenas uma política pública: é lei. As famílias chinesas não podem ter mais de um filho. Embora tenha afrouxado recentemente, os impostos pagos por quem tem um segundo filho são exorbitantes. O que fazer caso a esposa engravide? Ou se for uma mãe solteira? O aborto por lá é “tão comum como a água potável”, afirma uma missionária que trabalha na região.

 

Oficialmente, são cerca de 13 milhões de bebês mortos no ventre a cada ano, sem dúvida o índice mais alto do mundo. Mark Li (nome fictício), o missionário americano que fundou a CLA, afirma que o número real, incluindo abortos não declarados chega perto de 30 milhões.

 

Na China, o aborto é visto como apenas um método de controle de natalidade, com anúncios em ônibus e outdoors, divulgando procedimentos rápidos, baratos e sem dor. Como tudo é controlado pelo governo naquela nação, a maioria das igrejas são vigiadas de perto pelo partido comunista e simplesmente não falam sobre o assunto.

 

Mesmo a imensa rede das chamadas “igrejas subterrâneas”, que operam à margem do controle estatal, ignora o assunto. Nos últimos anos, os cristãos chineses estão começando a tomar uma posição diferente, fazendo do ensino sobre o aborto no púlpito uma prática comum. Além disso, trabalham com as mulheres para encontrar formas de proteger a vida dos bebês não nascidos.
Em grande parte, há um desconhecimento sobre a verdadeira natureza do procedimento abortista, pois isso já faz parte da cultura chinesa. Mas o trabalho de missionários estrangeiros nos últimos anos está mudando a maneira como os cristãos veem a vida no útero.

 

Segundo o grupo pró-vida China Life Alliance (CLA), cerca de 1% de todas as igrejas na China já ouviram o que a Bíblia tem a dizer sobre a origem da vida. Este e outros grupos similares têm feito palestras de esclarecimento a tantas igrejas quanto for possível, uma tarefa difícil considerando-se as perseguições aos “cristãos ilegais”.

 

Os relatos é que existe uma onde de arrependimento, reforçado pelo estudo do que a Bíblia diz sobre a santidade da vida. Se 99% das igrejas não ensinam que aborto é pecado, quando ensinam é inevitável ouvir de algum membro da congregação testemunhos sobre a prática. A angústia das famílias é sempre a mesma: Deus poderá me perdoar?
Na China, a educação sexual não é ensinada na escola, pois os professores têm vergonha de falar sobre isso. Os pais também não costumam falar com seus filhos sobre sexo, então as crianças sabem pouco sobre sexo e reprodução.

 

Como resultado, mais de 70% dos chineses praticam sexo antes do casamento. Para as meninas solteiras que engravidam, o aborto parece ser a única opção. Mães solteiras trazem vergonha para as famílias, então os pais pressionam suas filhas para abortar. Se a mulher insiste em manter seu bebê, poderá perder o emprego, ser expulsa da escola e terá dificuldade de se casar no futuro.
Além disso, a criança não receberá o hukou, registro oficial que é exigido para se frequentar a escola, fazer viagens ou conseguir um emprego. Entregar para a adoção é difícil, já que a prática é restringida pelo governo. Assim, a melhor solução para o “problema” é o aborto.

 

Peter Wang (nome fictício), um pastor idoso, que agora passa a maior parte de seu tempo falando sobre aborto nas igrejas, conta que durante muito tempo pastores não ensinavam que o aborto é errado ou pecado. Eles simplesmente nunca foram ensinados sobre o assunto, explica Wang. Esse não é o único tema que é ignorado, afinal o comércio de Bíblias é proibido e a maioria prega a partir da tradição ou dos poucos que conhecem de cor as Escrituras.

 

Quando o CLA iniciou em 2010 uma rede de “casas de abrigo” para mulheres grávidas, criou também uma equipe de resgate para impedir abortos, além de um ministério cristão de apoio judiciário. Eles contam que até agora cerca de 20.000 igrejas já ouviram a mensagem pró-vida, e cada uma delas consegue evitar de 2 a 5 abortos por ano.

 

Sarah Huang (nome fictício), uma pastora que está envolvida em tempo integral com a CLA conta que quase abortou sua filha em 2012. Quando entendeu a importância do assunto, passou a desafiar as igrejas para ajudarem as famílias que lidam com o dilema.

 

Jonny Fan (nome fictício), pastor no norte da China, conta imprimiu no ano passado cerca de 50.000 panfletos explicando o que é o aborto. Quando membros de sua igreja começaram a distribuí-los, policiais locais chegaram a prender e espancar alguns deles. Mas o trabalho continua.

 

O CLA calcula que 8.200 pastores pregaram sobre o aborto em suas igrejas este ano. Aos poucos o cenário vai mudando em uma nação onde a desinformação é a principal arma para o governo manter o seu poder. A maioria das pessoas das áreas mais pobres não tem acesso à internet, por exemplo e num território de dimensões continentais, a maior parte do esforço é feita por pessoas sem muitos recursos, mas com a convicção de que esse é um assunto que deveria ser tratado pela igreja, pois diz respeito a um dos pilares da fé: a vida é dom de Deus.

 

Com informações Christian Headlines