Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 26/06/2018

‘Apocalipse’ chega ao final com anticristo lançado no fogo do inferno e aparição de Jesus

A novela Apocalipse chegou ao final na noite de ontem, segunda-feira, 25 de junho, com um capítulo que mostrou os horrores de um período de incertezas, autoritarismo e perseguição. O episódio também trouxe inúmeros efeitos especiais, e uma aparição de Jesus, interpretado pelo ator Dudu Azevedo, que fará o papel na novela que a Record TV está produzindo.

 

Ao longo de seis meses, a novela Apocalipse acumulou média de 10 pontos de audiência, um número abaixo do que a direção da emissora projetava. Cada ponto medido pelo instituto Kantar Ibope equivale a 201.061 espectadores, segundo informações do jornal Folha de S. Paulo.

 

Numa entrevista concedida antes da exibição do capítulo final, o ator Flávio Galvão (Stefano) afirmou que a história reservava boas surpresas: “Com certeza, o público vai se sentir vingado pelo desfecho da novela e o destino dos vilões. Os personagens ruins da trama vão ficar na pior. Com o meu não será diferente”, contou o ator.

As cenas da novela, com o vilão Ricardo (Sérgio Marone), o anticristo, e seu lacaio, Stefano, sendo jogados ao fogo do inferno, foi um dos pontos mais comentados nas redes sociais. Para Galvão, a cena foi o ápice: “O lançamento de ambos ao inferno foi, a meu ver, ótimo, muito bom mesmo. Inclusive, costumo dizer que nenhum dos dois vai morrer. Eles apenas vão voltar para casa”.

 

Além do destino esperado para os diabólicos vilões, o episódio mostrou a destruição da cidade chamada Nova Babilônia, e a morte dos personagens Ariela (Leona Cavalli), Arthur (Junno Andrade), Dudu (Igor Cosso) e Guido (Roberto Birindelli).

 

Os “mocinhos” Zoe (Juliana Knust) e Benjamin (Igor Rickli), que foi transformado de ateu a um servo de Jesus ao longo da novela, foram levados ao Paraíso por Jesus. Essa cena, em especial, foi pensada pela Record como uma prévia da novela Jesus, que estreará no dia 10 de julho, substituindo a minissérie Lia, que será exibida pela Record a partir desta terça-feira, 26 de junho.

 

“Nas redes sociais o último capítulo da trama tornou-se um dos mais comentados e ganhou alguns elogios dos telespectadores que se surpreenderam com os desfechos”, comentou o jornalista Rogério Frandoloso, do portal O TV Foco.

 

“Foi uma novela que impressionou a todos os atores pela qualidade, pela ótima produção. Nos bastidores, todo o mundo se gostava e adorava gravar. O público também curtiu. Todos amavam os mocinhos e odiavam os vilões”, concluiu Flávio Galvão.

 

Apesar dos elogios à produção, os bastidores da trama foram turbulentos. A autora Vivian de Oliveira deixou os trabalhos antes da conclusão da novela, por divergências com a escritora Cristiane Cardoso, filha do bispo Edir Macedo e escolhida pela Record como representante da Igreja Universal do Reino de Deus.

 

As divergências teológicas e de rumo para a trama tornaram o ambiente insustentável, a a autora – consagrada por sucessos como A História de Ester, Rei Davi, José do Egito e Os Dez Mandamentos – terminou afastada de Apocalipse na reta final da novela. Não à toa, a desarmonia impactou na audiência, que não alcançou os 15 pontos pretendidos como média.
Gospel +