Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 19/07/2015

Ausência de conselheiros ameaça trabalho do Conselho Antidrogas

Conselho-Falta de qu_rum-Fotos-Washington Nery-14-07-15 (2)O Conselho Municipal Antidrogas de Feira de Santana (Comad), está enfrentando dificuldades para cumprir suas atribuições no município, devido ao não comparecimento dos conselheiros às reuniões. Na terça- feira, 14, o encontro mensal mais uma vez não foi realizado por falta de quórum.

 

Do total de 22 conselheiros – somados os suplentes seriam 44 – nenhum compareceu à reunião. Na justificativa, a maioria alegou “conflitos de agenda”, embora o calendário das reuniões tenha sido informado com cerca de 1 ano de antecedência.

 

A presidente do Comad, Ana Lúcia Miranda, teme os prejuízos que o não funcionamento do Conselho poderá trazer para as diversas instituições de prevenção contra o uso de drogas no município de Feira de Santana.

 

“ Futuramente isso pode atrapalhar as atividades das instituições, haja vista que todo os convênios que forem firmados, seja em âmbito municipal, estadual ou federal, dependem de um parecer do Conselho Antidrogas”, destaca.

 

Lúcia Miranda apela aos conselheiros que estejam impedidos de participar, que se manifestem através de ofício, a fim de que providências sejam adotadas. Qualquer alteração na composição do Conselho Antidrogas, segundo ela, “tem que passar primeiro pela Câmara de Vereadores, e o processo é demorado. Gostaríamos muito de dar continuidade a esse trabalho, não por uma pessoa, mas por todas as vítimas de drogas”, salienta.

 

ATRIBUIÇÕES

 

Criado em 2013, o Comad tem entre a suas funções o trabalho de enviar relatórios periódicos à SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas) e ao CONEN (Conselho Estadual de Entorpecentes) sobre sua atuação, além de cadastrar instituições e movimentos comunitários que atuam na causa antidrogas, inclusive prevenção, tratamento, reinserção e redução de danos.

 

Também são atribuições do Conselho estimular e coordenar a participação de todos os segmentos sociais do município de modo a assegurar a máxima eficácia das ações, visando a redução da demanda de drogas, um dos fatores que geram violência.

 

As informações são da Secom.