Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 23/09/2017

Bahia supera Minas Gerais e se torna 2º maior produtor de frutas do Brasil, aponta pesquisa do IBGE

Bahia superou Minas Gerais se tornou o segundo maior estado produtor de frutas do Brasil, segundo a Pesquisa Nacional Agrícola dos Municípios (PAM) de 2016 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE), divulgada nesta quinta-feira (21) em Salvador. São Paulo permanece na liderança com a maior produção.

 

O grande destaque da pesquisa é o baixo sul da Bahia. Na região, o município de Wenceslau Guimarães pela primeira vez apareceu no levantamento entre os 20 municípios do país que mais geram renda a partir da fruticultura.

 

A cidade passou da 34ª para a 12ª posição no ranking nacional, que engloba mais de 5.563 municípios, graças à produção de frutas como a graviola e a banana. Somente em 2016, foram produzidas 115,9 mil toneladas de banana, que geraram mais de R$ 207,9 milhões.

 

No quesito valor de produção agrícola, a Bahia se manteve na 7ª posição no ranking nacional. Frutas como mamão, abacaxi e graviola geraram, no ano passado, R$ 6,3 bilhões no estado, 8,5% a mais que em 2015.

 

Os principais polos produtores continuam sendo o norte do estado. Juazeiro duplicou a produção de manga e subiu da 4ª para a 2ª posição no ranking nacional. Já Bom Jesus da Lapa manteve a liderança nacional na produção de banana.

 

A produção de laranja também fez a diferença. Agricultores de Rio Real e Inhambupe, apesar da queda na safra no ano anterior, produziram 961,2 mil toneladas de laranja no ano passado.
A pesquisa do IGBE também registrou uma queda na produção de frutas em São Desidério, no oeste da Bahia, da 1ª para a 11ª posição no ranking.

 

Pesquisadores, representantes do setor e da Federação de Agricultura e Pecuária da Bahia e acompanharam a divulgação do resultado da pesquisa. “A Bahia hoje é o principal estado da região em termos de produção agropecuária, não só pela sua extensão como por sua diversidade de produção”, destaca o coordenador de agropecuária do IGBE, Octávio Costa de Oliveira.

 

“O governo também utiliza [os dados] para ver a concentração das áreas onde tem produção e onde não tem, até para polanejamento do desenvolvimento do setor”, destaca a coordenadora nacional da pesquisa Larissa Souza.

 

G1.COM