Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 29/11/2014

Bíblia católica apresenta o “Jesus negro”

33Provar que Jesus era negro é uma especulação antiga, tema de vários encontros teológicos e livros sobre o assunto. Representações artísticas do tema não faltam. Na ficção televisiva, já deu origem a muita controvérsia.

 

Embora a Bíblia não o descreva fisicamente, existem centenas de congregações norte-americanas que usam a imagem de um Jesus negro para contrastar com a figura loira de olhos claros que ganhou popularidade em quase todo o ocidente.

 

Talvez como sinal dos tempos em que o politicamente correto está na ordem do dia, uma nova Bíblia para jovens apresenta ilustrações que retratam vários personagens bíblicos como homens e mulheres de origem africana (inclusive os anjos).

 

A Bíblia da Juventude Afro-americana foi lançada após quatro anos de debate, apresentando “comentários, notas de rodapé e obras de arte destinadas a informar os jovens afro-americanos sobre as Escrituras”.

 

Seu idealizador é o Bispo emérito John H. Ricard, da Flórida. Além de reitor do Seminário Saint Joseph, em Washington, é o atual presidente do Congresso Nacional de Católicos Negros e coordena a Editora Saint Mary, que lançará a obra em janeiro de 2015.

 

“Nós queríamos ter algo que apelasse para nossos jovens e queríamos fazer que fosse o mais relevante possível para as suas vidas”, explica Ricard, em uma entrevista com o Catholic News Service. “Depois de muitos anos de estudo, pensamos que esta seria uma forma eficaz de fazer isso”. Durante a concepção do projeto, estiveram envolvidos mais de 200 autores, consultores teológicos e ilustradores.
A Bíblia inclui estudos temáticos mostrando um pouco da história dos negros nos EUA e da história da Igreja Católica em geral. “Essa Bíblia é resultado de uma série de pesquisas”, explica o bispo. “Na Bíblia, falamos sobre escravidão e procuramos explicar melhor o que isso significa para a história dos afro-americanos nos Estados Unidos”, ressalta.

 

O padre James Okoye atuou como editor da Bíblia. Ele conta que equilibrar a perspectiva bíblica com a história dos escravos que vieram para o continente americano não foi fácil. Alguns dos estudos foram mais fáceis, como explicar que o Livro do Êxodo foi usado para manter viva a esperança dos afro-americanos durante os tempos da escravidão. Outros textos, como as encontradas nas cartas de Paulo, foram mais desafiadores.

 

“Você tem que mostrar que a Bíblia é a palavra de Deus, mas é a palavra de Deus, de acordo com o contexto humano”, esclarece Okoye. “Você tem Colossenses e Efésios, onde Paulo aparentemente aceita a escravidão como natural. Como você lida com isso requer um equilíbrio delicado, para mostrar como a palavra de Deus foi mal utilizada e como precisa ser usada hoje em dia”.

 

Valerie Washington, diretor-executivo do Congresso Nacional de Católicos Negros, explica que o público-alvo são jovens negros entre 14 e 22 anos, mas que pode ser usada por qualquer pessoa.
“Nos queixamos que muitos jovens não estão na igreja e que o seu envolvimento não está crescendo tanto quanto gostaríamos”, disse Valerie. “Queremos que eles evangelizem seus conhecidos. Se queremos chegar até essa juventude de agora precisamos ser mais inclusivos. Esperamos que essa Bíblia os ajude a evangelizar e crescer na sua fé.”

 

Com informações de Catholic News Herald e NCR Online