Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 10/03/2016

Bispo alfineta Lula e pede a Deus “graça para pisar na cabeça de quem se autodenomina jararaca”

5

“Se tentaram matar a jararaca, não bateram na cabeça, bateram no rabo. A jararaca tá viva, como sempre esteve”. A frase pertence a Lula (PT) e foi dita em pronunciamento à imprensa após ter sido obrigado pela Justiça a depor na 24ª fase da Operação Lava-Jato. E a ironia do ex-presidente não passou em branco.

 
O bispo-auxiliar da Arquidiocese de Aparecida, dom Darci José Nicioli, afirmou durante a missa no último domingo, 06 de março, que os cristãos deveriam pedir a Deus graça para superar os obstáculos e “pisar na cabeça da serpente”.

 
“Peça, meu irmão e minha irmã, a graça de pisar a cabeça da serpente. De todas as víboras que existem e persistem em nossas vidas; daqueles que se autodenominam jararacas. Pisar a cabeça da serpente. Vencer o mal pelo bem, por Cristo nosso Senhor”, pregou o sacerdote católico, que é presidente da Comissão para a Comunicação da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

 
A frase se tornou viral nas redes sociais, pois a missa foi transmitida ao vivo pela TV Aparecida. O jornal Folha de S. Paulo procurou o bispo para explicar a motivação do discurso, e dom Darci afirmou, por meio de sua assessoria, que tratou-se de uma reflexão sobre a “misericórdia de Deus, que não é paternalista, mas que pede de nós uma atitude: anular o mal”.

 
De fato, o tema da homilia (sermão) de dom Darci era a vitória do bem sobre o mal: “Maria pisou a cabeça da serpente. O mal não a tocou. Decididos, meu irmão e minha irmã, expurguemos o mal da nossa vida e da sociedade”, encorajou os fiéis. “É hora de voltar à casa do Pai. Pisar a cabeça da serpente. De todas as serpentes. Anular a força do mal e vencer o mal pelo bem. Coragem”.

 
No comunicado enviado ao jornal, dom Darci ressaltou a orientação e disse que a interpretação fica a cargo de cada um: “[Pedi a Deus a graça para] livrar-nos das víboras, das jararacas, que são a personificação do mal. A interpretação e as aplicações práticas ficam a cargo de cada fiel ouvinte”, concluiu.

 
GOSPEL+