Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 15/06/2017

Cadh orienta a evitar os excessos na alimentação durante as festas juninas

As festas juninas são sinônimo de fartura na mesa. Diante de tantas delícias é difícil controlar a vontade de comer. Geralmente não faltam o amendoim, a canjica, milho, bolos, mingau, pipoca, paçoca e mungunzá. Saber dosar as quantidades e o que comer nessa hora ajuda a manter qualquer dieta. Principalmente, para quem convive com a diabetes e a hipertensão.

 

Para mostrar que é possível participar e se divertir em qualquer evento, sem privar do lazer, o Centro de Atendimento ao Diabético e Hipertenso (Cadh) proporcionou aos seus usuários uma confraternização de São João, na manhã desta quarta-feira, 14.

 

“O fato de conviver com uma doença crônica – diabetes e hipertensão – não impede a pessoa em participar de uma festa regional, como o São João, por exemplo”, diz a nutricionista do Cadh, Josinete Monteiro.

 

De acordo com ela, as pessoas portadoras da diabetes estando com as taxas glicemias controladas podem ingerir esses alimentos. No entanto, devem evitar os excessos. “Os alimentos consumidos nessa época apresentam mais carboidratos e, consequentemente, mais açúcar”, afirma.

 

A nutricionista recomenda alguns cuidados também na preparação dos pratos, fazendo a opção em substituir o açúcar refinado pelo adoçante culinário e dando prioridade para os ingredientes mais naturais aos industriais. “Ao substituir o açúcar pelo adoçante não significa que pode comer de modo exagerado, uma vez que, o excesso de carboidrato vai resultar no aumento da glicemia”, alerta.

 

Diante de tanta fartura posta à mesa, o aconselhável é começar degustando pequena porção de amendoim. “Ele contém bastante gordura monoinsaturada, proteína, fibras e pequena quantidade de carboidrato. Essa composição dará saciedade evitando que a pessoa coma de modo exagerado”. Outra dica é comer a metade de um milho cozido e chupar uma laranja ingerindo o bagaço.

 

“Para ajudar no aumento do gasto de energia e no controle da glicemia, a pessoa deve se movimentar, seja dançando ou caminhando, durante a festa”, pontua a nutricionista.

 

A coordenadora do Cadh, Andrea Silva, também participou da confraternização e ressaltou que este é o terceiro ano do evento. “É um momento de elevar a autoestima dos nossos usuários, mostrando a eles que é possível se divertir alimentando-se adequadamente e seguindo as orientações corretas”, pontuou.

 

Secom