Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 26/09/2014

Cientistas que estudaram o cérebro de quem vê o rosto de Jesus em torradas ganham prêmio

jesus-na-torrada-e1411563202979Uma imagem em que supostamente o rosto de Jesus aparecia numa torrada queimada circulou tempos atrás nas redes sociais com grande repercussão, causando grande burburinho entre internautas e fazendo surgir discussões sobre a seriedade ou não das “imagens”.

 

Porém, um grupo de cientistas levou a discussão a sério e promoveu um estudo sobre o cérebro das pessoas que enxergavam a imagem de Jesus no pedaço de pão torrado.

 

O fenômeno que leva um indivíduo associar uma imagem abstrata a outra figura conhecida é denominado pela ciência como pareidolia, e descrito como um processo psicológico. Quem percebe imagens ou sons em situações aleatórias e os associa com uma pessoa, objeto ou música pode ter apofenia, que é a capacidade cognitiva de percepção de padrões ou conexões em situações que são presumidas como aleatórias, de acordo com informações do Wikipedia.

 

Como resultado da experiência com o cérebro de pessoas que viam o rosto de Jesus na torrada, os cientista chineses chegaram a uma conclusão de como funciona o raciocínio desses indivíduos e de quebra receberam um prêmio internacional promovido pela revista de humor científico Anais da Pesquisa Improvável.

 

A revista publica desde 1991 um ranking com as dez pesquisas mais incomuns, bizarras ou óbvias publicadas durante o ano. O prêmio é considerado uma provocação no meio científico e geralmente é levado na brincadeira pelos estudiosos, que comparecem à cerimônia e recebem os troféus das mãos de vencedores do verdadeiro Prêmio Nobel.

 

Os cientistas chineses receberam o Ig Nobel 2014 na categoria “Neurociência” numa cerimônia realizada no auditório da Universidade de Harvard.

 

De acordo com o G1, uma dupla brasileira já venceu o Ig Nobel em 2008. Astolfo Gomes de Mello Araujo e José Carlos Marcelino, da Universidade de São Paulo, foram os primeiros brasileiros a ganhar o prêmio por mostrarem o impacto do tatu nas pesquisas arqueológicas.