Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 27/03/2015

Com 120 anos, soteropolitana pode ser a mais velha do mundo: “Eu quero é mais”

unnamed (5) Com um sorriso no rosto e unhas bem feitas. Foi assim que Vovó recebeu a equipe de reportagem do iBahia na tarde desta quarta-feira (25). A anciã, que pode ser uma das mulheres mais velhas do mundo, se chama Eurides Fagundes e ganhou o apelido carinhoso das cuidadoras da Associação Solidariedade Grupo de Apoio ao Paciente Portador de Câncer (ASGAP), no bairro de Cidade Nova, em Salvador, onde ela vive há 17 anos.

 

Dona Eurides soma 120 anos bem vividos. Nasceu no dia 6 de dezembro de 1894, em Salvador, segundo sua carteira de identidade, mas contesta e diz que nasceu e foi criada em Caboto, no município de Candeias, região metropolitana de Salvador. Para se ter uma ideia, ela chegou a conhecer Lampião e Maria Bonita que, por sinal, nasceram depois dela, em 1898 e em 1911 respectivamente. “Ele assustava todo mundo e não existia aquele que não tivesse medo”, conta.

 

Sem filhos e sem nunca ter casado, dona Eurides conta que após uma paixão não correspondida, ainda na adolescência, resolveu esquecer os homens. “Tinha um rapaz que morava perto da minha casa e que eu gostava, mas as ‘raparigas’ sempre tomavam ele de mim. Quando ele foi trabalhar em Nazaré das Farinhas, voltou com outra, aí eu não quis saber mais de ninguém”, revelou.

 

Vivos e que ela tenha ainda relação, sobraram apenas alguns sobrinhos que moram em Candeias e que vão visitá-la em datas comemorativas. “Vou passar essa Páscoa com eles. Em dezembro (mês do seu aniversário) eles estiveram aqui”, lembra. Vovó foi morar na casa de apoio após uma cirurgia, em 1995 no Hospital Santa Izabel, para a retirada do útero após descobrir um câncer na região e foi quando o vice-presidente da casa, Jorge Brito, resolveu adotá-la.

 

“Na época da cirurgia (quando tinha 101 anos) ela precisava de acompanhamento e deveria ter alguns cuidados especiais e o vice percebeu que ela não teria esses cuidados em Candeais – onde ela morou com os familiares por alguns anos – então ele decidiu deixá-la na casa mesmo curada” explica Maria Helena, cuidadora de Dona Eurides há dois anos.

 

Quando o assunto é comida, Vovó tem a preferência na ponta da língua. “Eu gosto mesmo é de pirão de caranguejo, batata doce, uma farofinha, siri catado, aí que delícia”, sorri. Mas Maria diz que a alimentação dela é bem regrada. “Ela não pode comer muita coisa, principalmente pelos problema de diabete e pressão alta. Mas vez ou outra fazemos alguma vontade dela. ‘Páscoa tá chegando, será que teremos um bacalhauzinho, vó?'”, pergunta recebendo um sorriso de felicidade de Dona Eurides.

 

Por conta da idade, ela lembra de poucas coisas de como era Salvador, apenas que trabalhava em casas de família. ‘Eu saia de uma casa para outra, fazendo faxina e tomando conta de criança e idoso. Não tinha tempo de estudar, só de trabalhar”, lembra Dona Eurides que não sabe ler nem escrever.

 

Perguntada sobre o segredo da sua longevidade, Vovó acredita que foi um querer de Deus. “Ele quis e estou aqui. E ainda quero mais”, fala sorrindo. Oficialmente, a mulher mais velha do mundo é a japonesa Misao Okawa, reconhecida pelo Guinness Book, o livro dos recordes, e que completou 117 anos no dia 5 deste mês.

 

(Foto: Eli Cruz/iBahia)