Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 21/05/2015

Consultório na Rua amplia acesso atendendo em locais fixos

Consultorio nas Ruas-fotos Jorge Magalhaes (4)_1Welson Teixeira, 25 anos, vive nas ruas de Feira de Santana. Pai de três filhos, o jovem não chegou a conhecer a mãe. Foi criado com a avó até o dia em que ela faleceu – há pouco mais de cinco anos. Sentindo uma forte dor no dente, que de tão inflamado deixou um dos lados da face inchado, ele aguardava pela equipe do Consultório na Rua, que presta o atendimento no Centro Pop Rua.

 

É no equipamento mantido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social que Welson encontra apoio. Lá ele faz a primeira refeição do dia, toma banho e ouve algum tipo de orientação, geralmente, de assistentes sociais – os mesmos profissionais que o abordaram nas ruas e lhe encaminharam para o Centro Pop.

 

No dia programado – o mais breve – lá estava o médico do projeto Consultório na Rua, da Secretaria Municipal de Saúde, para levar a assistência para Welson e encaminhá-lo a alguma unidade, conforme a necessidade apresentada. Além do médico, a equipe do projeto é composta de enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistente social e psicólogo.

 

“Os atendimentos do Consultório na Rua passaram a ser feitos também em locais fixos, como o Centro Pop e no Centro de Abastecimento, porque é mais uma forma de garantir e ampliar o acesso de pessoas que vivem na vulnerabilidade social aos serviços de saúde”, afirma a coordenadora do projeto, Iani Araújo.

 

Para cada local desse há dia e turno específico para atendimento. “Se a equipe não encontrar o morador onde costuma ficar, ele saberá buscar o serviço de saúde”, explica, reforçando que, independente disso, é feita a busca ativa.

 

OUTRAS DOENÇAS

 

Atualmente existem 131 pessoas cadastradas no projeto implantado em fevereiro deste ano pela Prefeitura Municipal. Algumas delas não estão sendo mais acompanhadas, porque mudaram de cidade, passaram a frequentar outros locais, vieram a óbito, entre outros motivos.

 

Os moradores de rua são encontrados, principalmente, na região do Centro de Abastecimento, na Praça da Matriz, próximo à Estação Rodoviária, nas imediações do Feira Tênis Clube, além dos bairros Tomba, Rua Nova e Cidade Nova. “Começamos o trabalho às 8h, quando eles ainda estão dormindo. Neste horário não estão mais sob o efeito do álcool ou outras drogas”, diz.

 

De acordo com Iani Araújo, nos três meses de implantação do projeto já foram diagnosticados casos de hanseníase, tuberculose e, agora, portadores da Aids. Todos foram encaminhados para o programa de referência municipal para receber o acompanhamento especializado.

 

Contudo, diz a coordenadora do Consultório na Rua, nem todos aderem ao tratamento. “Fazemos o acompanhamento semanal dessa pessoa, quando entregamos o medicamento e identificamos se estão seguindo corretamente as orientações médicas”, pontua.