Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 25/08/2014

Contra as drogas, bispo Marcelo Crivella diz que uso de maconha fez aviões caírem

marcelo-crivella O bispo Marcelo Crivella, candidato do PRB ao governo do estado do Rio de Janeiro, causou uma grande polêmica com uma declaração sua sobre os motivos de ser contra a descriminalização das drogas.

 

No debate promovido pela TV Bandeirantes, Crivella relacionou os problemas nos aviões Fokker ao uso de maconha pelos funcionários da fabricante, que fechou as portas na década de 1990.

 

“Os países que adotaram isso retrocederam. A Holanda, por exemplo, teve empresas que foram fechadas porque seus funcionários estavam usando drogas, como a Fokker, por exemplo, e os aviões começaram a ter problemas. Inclusive no Brasil”, disse Crivella.

 

A reação da platéia que acompanhava o debate foi de risos espontâneos à declaração do senador e bispo licenciado da Igreja Universal.

 

No Twitter, a afirmação de Crivella se tornou um dos assuntos mais comentados pelos internautas em todo o Brasil.

 

O candidato Tarcísio Motta (PSOL), que perguntou a Crivella sobre os motivos que o levam a ser contra a legalização da maconha, defendeu sua postura argumentando que no cenário oposto ao atual, o governo pode controlar o uso e tratar os dependentes.

 

“Países e locais onde a maconha foi legalizada, o consumo diminuiu e o estado pôde controlar. E trataram o uso problemático como um problema de saúde pública”, afirmou Motta.

 

No Facebook, a repercussão da fala de Marcelo Crivella virou piada, e uma montagem com foto do bispo e sua queixa contra a maconha virou meme, sendo compartilhado por diversos usuários.

 

Mesmo com a repercussão tornando sua declaração motivo de piada, Crivella reafirmou seu argumento numa entrevista à rádio CBN na última quarta-feira, 20 de agosto.

 

“Existe uma grande empresa de aviação chamada Fokker, que começou a apresentar em diversas partes do mundo defeitos em seus aviões. Então houve uma inspetoria internacional. E verificaram que os funcionários, por conta de ser legalizada, usavam drogas durante o serviço. Como a montagem de um equipamento requer minúcias, milhares e milhares de pequenas peças, esses problemas acarretaram no seguinte: caiu no mercado a notícia de que haviam viciados em drogas montando avião. As ações despencaram, acabou com fornecedor, acabou pessoas que queriam ligação com aquele negócio e a empresa quebrou”, narrou o bispo.