Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 26/04/2018

Cristã recusa casamento e é queimada viva: “Às vezes são atacadas com ácido”, diz voluntário

No domingo passado, Asma Masih, de 25 anos de idade, morreu após ter sido queimada viva em um ataque na porta da sua casa. O motivo da sua morte, segundo informações do Pakistan Today, foi porque a jovem que é cristã, se recusou à casar por obrigação com um muçulmano.

 

Masih trabalhava como empregada doméstica no Paquistão, mas o ataque ocorreu em sua casa. Ela ouviu alguém lhe chamar na porta e quando atendeu, foi surpreendida por um homem que lhe ateou fogo utilizando produtos químicos. O pai da jovem, Yaqoob Masih, estava presente no momento do ataque e ainda viu “Rizwan Gujjar fugindo da cena enquanto Asma estava em chamas”, disse ele.

 

A motivação do crime foi confirmada pelo sub-inspetor da Polícia Civil paquistanesa, Muhammad Riaz. Ele disse que Guijar confessou o ataque e foi preso: “Nós preparamos os documentos necessários e o enviamos para a cadeia”, informou.

 

Essa não é a primeira vez que um muçulmano ataca uma mulher cristã por intolerância religiosa. Esse é um problema que o Paquistão, considerado o terceiro país mais perigoso do mundo para os cristãos viverem, enfrenta rotineiramente, apesar de existirem algumas leis de proteção, como a Lei Contra o Assédio às Mulheres no Local de Trabalho (Emenda) de 2010 e a Lei de Proteção às Mulheres Contra a Violência de 2015.

 

Apesar dos recursos judiciais, às leis ainda não são aplicadas como deveriam. “Elas [mulheres cristãs] são muitas vezes perseguidas e intimidadas em seu local de trabalho. Elas são frequentemente obrigadas a se converter ao islamismo e se casar com colegas muçulmanos”, disse Nasir Saeed, diretor da CLAAS-Reino Unido, uma organização humanitária cristã que visa auxiliar os cristãos no Paquistão.

 

Segundo Nasir Saeed, as cristãs são vistas como “mercadorias baratas” e sofrem consequências quando recusam à se casar com os muçulmanos:

 

“Se elas se recusarem, terão consequências terríveis. Às vezes, elas são sequestradas e convertidas à força ao Islã, e às vezes são atacadas com ácido. Esses casos estão se tornando questões cotidianas e a polícia quase não faz avanços, especialmente se a vítima é cristã”, disse ele, segundo o Pakistan Today.

 
Gospel +