Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 08/07/2015

Cristãos estão sendo ridicularizados e coagidos após a legalização do casamento gay, diz jornal

igrejas-evangelicasA decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos em legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo no país foi um duro golpe nas igrejas evangélicas, que embora não sejam obrigadas a celebrar tais uniões, agora são confrontadas e ridicularizadas pela opinião pública.

 

No domingo 28 de junho, dois dias após a decisão da Suprema Corte, muitas igrejas pelo país realizaram seus cultos em tom de lamento. O jornal The New York Times publicou uma matéria sobre a igreja Wheaton Bible, usando-a como ilustração.

 

“Eu vim com uma grande sensação de lamento, por causa do que aconteceu na sexta-feira”, disse o pastor Lon Allison, professor da igreja, aos fiéis antes de ler um comunicado oficial sobre o assunto: “Não podemos aceitar ou aderir a qualquer redefinição legal, política ou cultural do casamento bíblico, nem vamos realizar ou endossar cerimônias de casamento entre pessoas de mesmo sexo”.

 

De acordo com o jornalista Michael Paulson, “a mudança dramática da opinião pública, e agora das leis do país, deixou os protestantes evangélicos, que representam cerca de um quarto da população dos EUA, em uma posição desconfortável”, obrigando as igrejas a adaptar seu discurso que antes era de rejeição total, a uma postura mais receptiva às pessoas homossexuais, embora ainda reprovando a prática.

 

Paulson diz que os evangélicos estão “fora de sintonia com a sociedade em geral”, o que leva os fiéis e pastores a serem “ridicularizados como preconceituosos e odiosos”.

 

“Muitos estão se sentindo coagidos enquanto tentam viver de acordo com sua compreensão dos ensinamentos bíblicos, e temem que uma mudança no cenário jurídico quanto aos direitos dos homossexuais leve inevitavelmente à restrição da liberdade religiosa”, acrescentou o jornalista.

 

Esse cenário sociocultural tem levado cada vez mais cristãos que se declaram homossexuais a optar por frequentar igrejas evangélicas, o que tem causado críticas por parte dos fiéis heterossexuais que tem amigos ou parentes gays, por causa da postura adotada pela igreja.

 

“Há um desejo crescente por parte de alguns, até mesmo dentro da igreja, de combinar a fé cristã com a aceitação da prática homossexual”, reconheceu a declaração da igreja Wheaton, sem no entanto, comungar com a ideia.

 

“Os evangélicos estão percebendo que eles têm uma visão minoritária na cultura, e que nesta questão eles perderam a vantagem de jogar em casa”, disse Ed Stetzer, diretor executivo da LifeWay Research, instituto que realiza pesquisa sobre os evangélicos. “Eles estão aprendendo a falar de forma elegante e afável, coisa que, quando sua visão era majoritária, não costumavam fazer”, concluiu.