Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 19/11/2015

Cristãos se mobilizam para ajudar vítimas de Minas Gerais: “Fé sem obras é morta”

MF BENTO RODRIGUES/MG - 06/11/2015 - BENTO / RODRIGUES / BARRAGEM - CIDADES - Cidade de Bento Rodrigues que foi destruida pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco. FOTO: MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

No dia 5 de novembro, as barragens de Fundão e Santarém da Samarco — cujos donos são a Vale e a anglo-australiana BHP — tiveram rompimentos que as levaram a despejar 62 milhões de metros cúbicos de resíduos de minério na região, impossibilitando também o uso da água pelos moradores.

 

 

O distrito de Bento Rodrigues ficou destruído, deixando centenas de pessoas desabrigadas. A lama tóxica também alcançou outros distritos da região, como Ponte do Gama, Águas Claras, Paracatu, Pedras e a cidade de Barra Longa. Os resíduos despejados no Rio Doce afetaram dezenas de cidades da Região Leste de Minas Gerais e também no Estado do Espírito Santo.

 

 
A tragédia trouxe uma grande comoção aos membros e líderes da Igreja do Evangelho Quadrangular. Em entrevista ao Guiame, a pastora pastora Márcia Perozini, que está à frente da igreja de Ipatinga, localizada na região do Vale do Rio Doce (MG), afirmou que há uma intensa mobilização social para auxiliar as pessoas afetadas pelo rompimento da barragem.

 
A igreja entrou em contato com a Defesa Civil, que os informou quais eram as reais necessidades das vítimas. “Dentro de Mariana, nos informaram que estavam precisando de materiais de limpeza e roupas íntimas. Então nós fizemos uma mobilização específica. Alguns pastores nossos saíram daqui e foram até Mariana para realmente identificar as reais necessidades”, relata.

 

 
“Em Governador Valadares, foi da mesma maneira. A necessidade era água. Nós começamos a fazer toda a campanha solicitando que cada membro pudesse também estar participando e levando os galões de água nos pontos de coleta da igreja, que faz o transporte até os locais”, acrescenta a pastora.

 

 
Márcia explica que os cristãos chegam nos locais afetados com o objetivo de levar o amor de Deus aos corações. “Os pastores que foram designados para essa tarefa específica voltam comovidos, falam que as pessoas estão abertas, sensíveis, carentes de amor, carentes de um abraço, carentes de palavras de consolo”, conta.

 

 
“A palavra de Deus nos diz que a fé sem obras é morta”, ressalta a pastora. “É assim que a gente põe a nossa fé de forma atuante, não só de palavras, mas com atitudes.”

 
GUIAME