Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 08/09/2014

Cultura regional vai à Expofeira

892014145246 Visitar o Parque de Exposição João Martins da Silva durante a XXXIX Exposição Agropecuária de Feira de Santana (Expofeira 2014) é uma oportunidade para se conhecer a cultura regional. Durante a mostra agropecuária, cordelistas e folheteiros expõem e comercializam cordéis no stand do Mercado de Arte Popular (MAP), onde também artesões comercializam seus produtos.

 
Somente na barraca do cordelista e folheteiro Jurivaldo Alves da Silva estão expostos mais de 500 títulos ou capas, como são mais conhecidos os cordéis entre nas editoras. Algumas das produções mais famosas e líderes em vendas datam de mais de 100 anos e continuam exercendo o mesmo fascínio e encanto aos seus leitores.

 

 

Jurivaldo explica que hoje, com o advento da internet e da informação instantânea, a literatura de cordel encanta principalmente as pessoas mais velhas e colecionadores. “Antigamente era até uma forma de alfabetizar pois os cordéis eram vistos como uma leitura gostosa”, explica.

 

 

Dentre os títulos mais disputados estão “Peleja do Cego Aderaldo com Zé Pretinho”, editado por Gonçalo Ferreira da Silva e que está fazendo 100 anos de lançamento este ano; “O Cachorro dos Mortos”, também com mais de um século de criação e de autoria de Leandro Gomes de Barros, considerado pioneiro da cultura de cordel na Bahia; e “A Vida de Pedro Cem”, também de Leandro Gomes e com cerca de 100 anos.

 

 

Outras edições que chamam a atenção dos leitores é “A chegada de Lampião no Inferno”, de José Pacheco, com cerca de 50 anos de lançamento; “O Pavão Misterioso”, que este ano completou 91 anos e é de autoria de José Camelo de Melo Resende; “A Moça Que Bateu na Mãe e Virou Cachorra”, de Rodolfo Coelho Cavalcante, alagoano radicado na Bahia e que possui quase meio século de lançado.

 

 

As literaturas de cordel proporcionam uma viagem pelas mais diversas áreas de conhecimento humano, explorando temas que vão desde a vaidade humana com a chegada da moda do silicone, a vida de Luiz Gonzaga – O Rei do Baião, o Cordel no meio ambiente; histórias de caminhoneiros, o presidente Getúlio Vargas, sobre os eleitores e até mesmo Jesus Cristo. Um dos temas mais explorados tem sido o de Lampião.