Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 05/08/2015

Edvaldo Lima volta a criticar transporte coletivo

11836868_814928495292405_4954899981462785105_nO transporte coletivo urbano de Feira de Santana voltou a ser alvo de críticas do vereador Edvaldo Lima (PP), em discurso na Câmara Municipal, nesta terça-feira (04). O edil chamou atenção para uma fiscalização realizada pelo Ministério Público Estadual, que constatou irregularidades na frota de ônibus da cidade.

 

“Está em minhas mãos um documento do Ministério Público, que fez uma fiscalização na empresa de transporte clandestina, que se encontra em Feira de Santana. De 186 veículos, só encontram dois veículos aptos para rodar”, informou.

 

De acordo com o oposicionista, por diversas vezes, ele havia feito este alerta. “O Governo esperou o Ministério Público denunciar. Este vereador, há três anos nesta Casa, chamou atenção para aprovação do projeto de melhoria do transporte coletivo, mas não deram ouvido ao vereador Edvaldo Lima”, afirmou.

 

Para o edil, muitos acreditavam que as suas denúncias eram vazias. “Achavam que eu estava aqui querendo me promover, mas não, estava falando de uma coisa que tinha conhecimento, são 32 anos no sistema de transporte, não estava falando de uma coisa que não tinha conhecimento, mas, por três vezes, o Governo pediu que derrubassem o projeto. Precisou o Ministério Público fiscalizar, para que o Governo tomasse conhecimento”, reiterou.

 

O vereador chamou atenção para as vias de acesso em que trafegam os ônibus. “Agora o Município está acionado na Justiça pelo Ministério Público, e a empresa é tão clandestina que está aqui a situação: nem estrada eles têm para rodar. Vejam nesta foto o ônibus dentro da lama”, disse.

 

Edvaldo Lima parabenizou o Ministério Público pela medida. “Está aqui o Ministério Público fazendo o seu papel, parabenizo o Ministério Público, na pessoa do promotor Sávio Damasceno ”, destacou.
Audiências sobre BRT

 

O edil falou ainda sobre audiências públicas para debater o BRT. Segundo Edvaldo, o Governo Municipal não incluiu toda a população quando realizou os debates acerca deste tema. “O Governo excluiu os maiores bairros desta cidade, que não serão assistidos pelo BRT do Governo. Dei entrada no Ministério Público pedindo 11 audiências nos bairros: Tomba, Feira X, Viveiros, Feira IX, Novo Horizonte, Campo Limpo, Mangabeira, Aviário, Parque Lagoa do Subaé”, afirmou.