Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 22/09/2016

Estado Islâmico faz lavagem cerebral em crianças para “conquistar Jerusalém”

02Um novo vídeo divulgado por um meio de comunicação estatal islâmico fornece em detalhes, informações sobre como o grupo Estado Islâmico promove uma lavagem cerebral para transformar crianças pequenas na próxima geração de jihadistas que vai ajudar a “conquistar Damasco, Bagdá, Jerusalém, Meca, Al-Medina, Dabiq, Roma e Andaluzia”.

 

O vídeo, que foi publicado e traduzido pelo Instituto de Pesquisa de Mídia do Oriente Médio, é apresentado por um narrador que percorre uma “instituição sharia” do Estado Islâmico (também conhecido como ISIS, Daesh ou ISIL) na cidade síria de Deir ez-Zor.

 

A filmagem mostra um grupo de meninos em uniformes verdes sentados no chão com as pernas cruzadas, durante a leitura e recitação do Corão.

 

Durante o ‘tour’ pelo local, o narrador questiona os alunos sobre os seus sonhos e objetivos de serem jihadistas e de matarem infiéis.

01

“Eu quero ser um candidato ao martírio por causa de Alá, atendendo, assim, às palavras do Profeta Muhammad [Maomé]: ‘Os mártires que Alá mais ama são os que lutam na linha de frente e não viram as costas até serem mortos”, diz uma criança durante para a câmera, após ter sofrido a lavagem cerebral.

 

Após o narrador explicar que as crianças são convidadas a conhecer e decorar o Corão, o vídeo mostra um jovem casal – chamado de “filhotes do califado” – repassando o conhecimento da lei sharia ao público.

 

Um jihadista em treinamento também aparece proibindo duas outras crianças de participarem das aulas de natação, porque estavam vestidas inadequadamente.

 

“Se uma mulher passasse aqui, você gostaria que ela o visse dessa maneira?”, perguntou o rapaz a uma das crianças. “Coloque já sua camisa”.

 

Outro menino é mostrado no vídeo, dizendo a seu tio que ele deve seguir as palavras do profeta, raspar o bigode e deixar a barba crescer.

 

“Os filhotes não se envolvem apenas em atividades no campo da sharia. Eles se juntam a seus irmãos que lutam na linha de frente”, disse o narrador, seguido por cenas de meninos que disparam fuzis.

 

“Assim como eles são humildes em relação aos muçulmanos, eles são duros com os infiéis”, o narrador continuou. “Desde de uma idade muito jovem, eles são criados para agir com rigidez, ódio e animosidade contra os infiéis”.

 

O narrador passa a trazer noções equivocadas críticas da civilização ocidental, o que poderia levar os espectadores a acreditar que os “filhotes do califado” estão recebendo uma lavagem cerebral com tais noções distorcidas.

 

O narrador disse que as crianças muçulmanas no Ocidente estão sendo afastadas de sua religião por “tiranos” ocidentais e que eles vão eventualmente “se tornar soldados e vão lutar pelo Islã e pelos muçulmanos, deixando-os assim humilhados e subjugados”.

 

O narrador também acusa os “tiranos” de matarem milhares de muçulmanos e estuprarem suas mulheres. A ironia é evidente, considerando o fato de que o próprio Estado Islâmico já matou e escravixou sexualmente milhares de mulheres de minorias religiosas, desde que o grupo subiu ao poder no Iraque e na Síria em 2014.

 
“O Estado Islâmico tem o orgulho de ter plantado o verdadeiro islamismo dentro destes filhotes, que estarão no meio das batalhas em poucos anos, se Alá quiser”, o narrador conclui. “Mesmo que todos nós sejamos erradicados e ninguém sobreviva, esses filhotes irão carregar a bandeira da jihad e irão completar a viagem. Por Alá, com esses jovens, vamos fazer os infiéis esquecerem os sussurros de Satanás”.

 

GUIAME