Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 23/03/2018

Estudo revela extinção das religiões na Europa, berço do Cristianismo

A marcha da Europa em direção a uma sociedade pós-cristã tem sido nitidamente ilustrada por pesquisas que mostram que a maioria dos jovens em uma dúzia de países não segue uma religião.

 

A pesquisa com jovens de 16 a 29 anos descobriu que a República Tcheca é o país menos religioso da Europa , com 91% desse grupo dizendo que não tem filiação religiosa. Entre 70% e 80% dos jovens adultos na Estônia, na Suécia e na Holanda também se classificam como não religiosos.

 

O país mais religioso é a Polônia, onde 17% dos jovens adultos se definem como não religiosos, seguidos da Lituânia com 25%.

 

No Reino Unido, apenas 7% dos jovens adultos se identificam como anglicanos, menos que os 10% que se classificam como católicos. Jovens muçulmanos, com 6%, estão prestes a ultrapassar aqueles que se consideram parte da igreja estabelecida no país .

 

Os números são publicados em um relatório, Jovens Adultos e Religião na Europa , de Stephen Bullivant, professor de teologia e sociologia da religião na Universidade St. Mary, em Londres. Eles são baseados em dados da pesquisa social europeia 2014-16.

 

A religião era “moribunda”, disse ele. “Com algumas exceções notáveis, os jovens adultos não estão se identificando ou praticando religião”.

 

A trajetória provavelmente se tornaria mais marcante. “O cristianismo como padrão, como norma, se foi e provavelmente se foi de vez – ou pelo menos nos próximos 100 anos”, disse Bullivant.

 

Mas houve variações significativas, disse ele. “Países que estão ao lado um do outro, com antecedentes culturais e histórias semelhantes, têm perfis religiosos muito diferentes.”

 

Os dois países mais religiosos, a Polônia e a Lituânia, e os dois menos religiosos, a República Tcheca e a Estônia, são estados pós-comunistas.

 

A tendência da afiliação religiosa foi repetida quando os jovens foram questionados sobre a prática religiosa. Apenas na Polônia, em Portugal e na Irlanda, mais de 10% dos jovens disseram que participam dos serviços pelo menos uma vez por semana.

 

Na República Tcheca, 70% disseram que nunca foram à igreja ou a qualquer outro local de culto, e 80% disseram que nunca oram. No Reino Unido, França, Bélgica, Espanha e Holanda, entre 56% e 60% disseram que nunca vão à igreja, e entre 63% e 66% disseram que nunca rezam.

 

Entre os que se identificaram como católicos, houve grande variação nos níveis de comprometimento. Mais de 80% dos jovens poloneses dizem que são católicos, com cerca de metade indo para a missa pelo menos uma vez por semana. Na Lituânia, onde 70% dos jovens dizem que são católicos, apenas 5% vão à missa ou culto semanalmente.

 

Segundo Bullivant, muitos jovens europeus “serão batizados e nunca mais aparecerão nem na porta de uma igreja. Identidades religiosas culturais simplesmente não estão sendo passadas de pais para filhos.”

 

Os números do Reino Unido foram parcialmente explicados pela alta imigração, acrescentou ele. “Um em cada cinco católicos no Reino Unido não nasceu no Reino Unido.

 

“E sabemos que a taxa de natalidade muçulmana é maior que a da população em geral, e eles têm taxas de retenção [religiosas] muito mais altas”.

 

Na Irlanda, houve um declínio significativo na religiosidade nos últimos 30 anos, “mas comparado a qualquer outro lugar na Europa Ocidental, ainda parece muito religioso”, disse Bullivant.

 

“A nova configuração padrão é ‘sem religião’, e os poucos que são religiosos veem a si mesmos como nadando contra a maré”, disse ele.

 

“Em 20 ou 30 anos, as igrejas tradicionais serão menores, mas as poucas pessoas que restam serão altamente comprometidas”.

 

FOLHA GOSPEL – Fonte: The Guardian