Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 02/06/2017

Facebook: uma versão virtual do muro das lamentações

O Facebook tem roubado boa parte do nosso tempo de oração e se tornado uma espécie de muro de lamentações virtual. Ao invés de contar os nossos problemas para Deus, muitas vezes temos usado esta rede social para desabafar e até mesmo se lamentar, e isso só prejudica ainda mais a nossa vida emocional e espiritual.

 

É muito melhor contar nossos problemas, frustrações, angústias, raiva e dor para o Pai Celestial, Ele é amoroso, compassivo e muito tardio em irar-se, muito diferente de haters espalhados pelas redes sociais que se escondem no anonimato, em perfis fakes para destilarem ódio gratuito e então se satisfazerem.

 

Estes, inclusive, carecem do amor de Deus, que pode ser manifesto por meio de nossas atitudes online, eles são uma boa oportunidade para praticarmos o que diz nas escrituras: “Se lhe baterem numa face, dá-lhes a outra”.

 

Se o Facebook pode ser comparado a um muro das lamentações virtual, por um outro lado, o Instagram tem sido usado como uma espécie de “púlpito virtual” para a autoidolatria.

 

O púlpito é um local elevado, utilizado pelo orador para falar. É utilizado pelo sacerdote durante a celebração. É o palco em que “espetáculos teatrais” se realizam.

 

O Instagram é este palco virtual, que esconde a realidade da maioria das pessoas, nele só se mostram imagens e cenários maravilhosos, fotos incríveis com filtros perfeitos, pessoas lindas com vidas perfeitas. É muito comum vermos meninas doces fazendo “carão” com poses e ares altivos e prepotentes, e isso, muitas vezes, da mesma pessoa que acabou de se lamentar no Facebook.

 

Este tipo de comportamento, que tende a camuflar a realidade, tem gerado uma série de problemas psicológicos para a nova geração. Estudos recentes apontam o Instagram como um grande vilão para a saúde mental dos jovens.

 

Hoje há uma inversão de valores e um uso indevido de ferramentas que poderiam ser usadas para a expansão do reino de Deus. O Instagram pode e deve servir como ferramenta de evangelismo. Não há problema em termos seguidores nas redes sociais, mas é preciso dar bom testemunho.

 

Paulo disse: “Sedes meus imitadores, como eu sou de Cristo”. Quem nos dias de hoje pode dizer esta frase?

 

Precisamos “ser” pessoas legais e não apenas “parecer ser” para então atrair as pessoas sedentas da Palavra de Deus, mas elas precisam ver o brilho do Epírito Santo em nós.

 

Jesus era legal! Tanto que Ele era convidado para eventos importantes de sua época, como foi o casamento em que ele fez o primeiro milagre.

 

Temos que adorar à Deus com todo o nosso ser, inclusive no mundo virtual, dar bom exemplo, para que as pessoas vejam Cristo em nós e queiram segui-Lo também! Amém?

 

GUIAME