Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 18/09/2017

Fisioterapia para crianças no Hospital da Mulher tem experiências ao ar livre

Tintas, garrafas preenchidas com bolas, milho branco, glitter, cesto com lã e esponja, bolas de sabão. Esses foram os utensílios utilizados nas atividades desenvolvidas através do Projeto Florescer, oficina de psicomotricidade destinada a crianças de 0 a 8 anos que fazem fazem tratamento ambulatorial de fisioterapia no Hospital Inácia Pinto dos Santos (HIPS), o Hospital da Mulher.

 

A atividade, coordenada pela fisioterapeuta Lília Oliveira, no Parque Municipal Radialista Erivaldo Cerqueira (Parque da Lagoa), teve como tema a chegada da Primavera, estação do ano favorável para a estimulação sensorial, visual, tátil e auditiva de bebês, além de trabalhar toda a parte de psicomotricidade e habilidades motoras dos bebês.

 

“O Projeto Florescer foi criado com o objetivo de tirar as mães do ambiente hospitalar e dar estímulos diferentes para as crianças, ser algo mais divertido. O sol, os bichos, a areia, o mato, o vento, tudo é um estímulo diferente para eles”, explica a fisioterapeuta.

 

Realizada em ambiente externo, junto à natureza, na última quinta-feira, 14, o projeto também proporcionou um bate-papo entre as mães para compartilhar o desenvolvimento dos filhos e tirar possíveis dúvidas.

 

A operadora de caixa Edilza Nascimento, mãe de Amanda Bella Nascimento que nasceu prematura (4 meses), relata que a experiência ajuda bastante a entender melhor a criação dos filhos.

 

“Para minha filha foi importante porque ela teve contato com a natureza, com o verde, os animais, os sons. É sempre bom estar em outro ambiente e também trocar experiências com outras mães”.

 

As habilidades motoras, a coordenação do bebê e o equilíbrio foram trabalhados durante a oficina – tendo como auxílio objetos com texturas diferentes, coloridos e sons – para estimular o desenvolvimento das crianças. Um passeio ao longo do parque, em contato com animais, também esteve entre as atividades.

 

Para Maíra Ferreira, mãe das gêmeas Kauanny Vitória e Kalleany Vitória (ambas prematuras de 3 meses), afirmou que o Projeto Florescer, além de estimular as filhas, oportunizou conhecer o espaço de lazer público.

 

“É importante porque a gente sai do ambiente hospitalar, das salas fechadas, da agitação, e entra em contato com a natureza. É um grande estímulo para minhas filhas, ainda mais que eles conheceram o parque pela primeira vez”.

 

A presidente da Fundação Hospitalar de Feira de Santana, Gilberte Lucas, pontua sobre a importância do projeto para as mães que recebem acompanhamento no Hospital da Mulher.

 

“É um projeto extra, fora da unidade hospitalar, que envolve a parte motora das crianças com a realização de atividades lúdicas com a equipe do setor de Fisioterapia da unidade de saúde, afirma a gestora.