Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 30/11/2017

França muda trecho do “Pai Nosso” que sugeria que a tentação vem de Deus

Uma nova versão do “Pai Nosso” foi aprovada na França, apresentando a modificação de um trecho que segure que os pecadores são tentados por Deus.

 

A frase “não nos submeteis à tentação”, como aparece atualmente na versão em francês, será substituída a partir do próximo domingo (2) por “não nos deixeis cair em tentação”, como em português, transferindo a carga do pecado aos homens.

 

A versão com a frase “não nos submeteis à tentação” foi adotada em 1966, como resultado de um compromisso ecumênico após o Concílio Vaticano II, quando foram discutidos e regulamentados vários temas da Igreja Católica. No entanto, a decisão nunca foi unânime.

 

Desde então, a frase incluída na oração vem sendo questionada por muitos protestantes — pode Deus submeter seus filhos à tentação, um domínio reservado ao diabo? O teólogo protestante Jacques Ellul é um dos que considerava esta tese absurda.

 

“A tradução não era errônea, mas a interpretação era ambígua”, comentou o monsenhor Guy de Kerimel, presidente da comissão episcopal para a liturgia na Conferência de Bispos da França (CEF).

 

Por outro lado, para o Conselho Nacional de Evangélicos da França (CNEF), o novo texto elimina a ideia de que o Criador “seria responsável pela tentação, mas solapa a soberania de Deus”.

 

Mas o que a própria Bíblia diz sobre o assunto? O trecho descrito em Tiago 1:13-14 é claro: “Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: ‘Estou sendo tentado por Deus’. Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Cada um, porém, é tentado pela própria cobiça, sendo por esta arrastado e seduzido”.

 

GUIAME