Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 31/01/2017

Futebol é remédio para alta pressão arterial em mulheres, aponta estudo

01Como alternativa às pílulas para controlar a alta pressão arterial, a bola de futebol. Esta é a proposta do professor Peter Krustrup, um dos maiores especialistas em futebol no mundo e criador do programa de exercícios Football Fitness — um circuito de aquecimentos e jogos pensado para melhorar a saúde de pessoas de todas as idades na Dinamarca, presente em 275 clubes no país. Pela primeira vez, o programa ganhou como base um estudo que provou seus benefícios a longo prazo, com resultados publicados nesta quarta-feira no periódico “Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports”.

 

A pesquisa envolveu uma amostra com 31 mulheres de idades entre 35 e 50 anos e pressão arterial moderadamente alta, das quais 19 participaram do Football Fitness por uma hora de duas a três vezes por semana, durante um ano. Estas mulheres mostraram resultados melhores em indicadores de pressão arterial, percentual de gordura no corpo, densidade dos ossos e disposição física.

 

O estudo foi conduzido com a colaboração de pesquisadores da Universidade das Ilhas Faroe e do Hospital Universitário de Copanhage.

 

“Nossa pesquisa mostra que mulheres não treinadas e com alta pressão arterial se beneficiam enormemente do Football Fitness. Esta prática pode ser corretamente descrita como tão eficiente e abrangente como remédios para mulheres com pressão alta”, comemorou em comunicado o professor Krustrup.

 

O professor estuda a relação entre saúde e futebol há 14 anos, sobre a qual publicou mais de 225 artigos científicos. Além do Football Fitness, Krustrup já contribuiu no desenvolvimento de outros programas de exercícios com o futebol, como o Fit First, Fifa 11 para a Saúde na Europa e o FC Próstata.

 

Há planos para que o Football Fitness, realizado em colaborção com a Associação de Futebol e Confederação de Esportes da Dinarmarca, seja expandido para outros lugares no mundo, como o Brasil, Sérvia e Reino Unido.

 

Ibahia