Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 22/09/2016

Governador diz que a Bahia deve ficar fora do Horário de Verão

Hoje foi anunciado pelo governador Jaques Wagner anuncio que Salvador terá horário de verão. Paisagens com sol em Ondina, Farol e Barra. Crédito: Andréa Farias

O governador Rui Costa afirmou ontem que ele deve repetir o posicionamento do ano passado e a Bahia não aderir ao Horário de Verão, marcado para começar no próximo dia 16 de outubro. A posição definitiva sobre o tema será tomada pelo governador até o final deste mês.

 

Porém, Rui deixou claro que a tendência é a de seguir o mesmo posicionamento de 2015, quando foram levadas em consideração pesquisas que apontavam que a maioria da população baiana era contra à adoção do horário especial. “Provavelmente não. Vou manter a posição do ano passado de não adesão”, disse. Nos últimos 13 anos, apenas em 2011 a Bahia aderiu ao horário de Verão.

 

Neste ano, o horário de Verão – que adianta em uma hora o horário oficial do país – vai valer a partir de 16 de outubro, seguindo até 19 de fevereiro de 2017. O objetivo do horário especial é diminuir o consumo de energia elétrica. A medida deve ser adotada por 10 estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e pelo Distrito Federal. Assim, o relógio será adiantado no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

 

Nestes locais, durante o Verão, o dia (com iluminação solar) tem duração maior que a noite. No Norte e Nordeste, a diferença de duração entre o dia e a noite não é significativa. No entanto, segundo empresários, a diferença de horário entre a Bahia e os estados do Sudeste prejudica a comunicação entre empresas, operações financeiras e o setor de turismo.

 

“Como ela (paternidade socioafetiva) não pode ser considerada menos importante, deve ser preservada […] Não há relação necessária entre paternidade biológica e a paternidade jurídica”, afirmou Teori.

 

Mesmo não sendo obrigada a votar enquanto presidir o tribunal, Carmen Lucia se posicionou alinhada a Fux: “Amor não se impõe, mas cuidado, sim.[…]”, disse, ao justificar seu voto.

 

O plenário decidiu deixar para esta quinta-feira (22) a redação da chamada tese do julgamento, ou seja, o texto final que detalha a decisão da corte.

 
CORREIO