Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 17/08/2015

“Jesus pode derrubar as paredes da religião e derreter o gelo das diferenças culturais”, diz missionário chinês

2949576030-muculmanos-chinesesUm visão foi o que despertou Zhang para o seu chamado ministerial. E ele mesmo compartilha como isso aconteceu:

 

“Um dia eu estava orando e tive uma visão – uma mulher mulher estava derramando uma garrafa de óleo precioso sobre Jesus. Jesus olhou para mim e perguntou: ‘O que é mais valioso para você?’ Eu refleti e busquei a resposta do fundo da minha alma, e respondi: ‘Minha vida é o que tenho de mais valioso, e estou disposto a lhe dar. Use-a, Senhor, com o teu poder’. Esse era o meu forte desejo, me tornar um missionário e trabalhar entre os muçulmanos”.

 

Enquanto era estudante, Zhang teve o primeiro contato com os muçulmanos de seu país. Tempos depois, após sua formatura, ele participou de uma pesquisa da Portas Abertas na China e então teve a oportunidade de dar aula em uma escola em um vilarejo muçulmano. “A sugestão foi a de que eu não pregasse o evangelho diretamente, mas que eu apenas construisse relacionamentos e compartilhasse o amor, com respeito”, explica.

 

Certa vez o jovem foi surpreendido com a atitude de um garoto tímido da sala ir até a frente e falar sobre o amor. ‘Eu não acreditava no amor, não sabia que existia, mas depois de conhecer você, eu vejo que estava errado. O amor realmente existe’. “Comecei a chorar por ver que o amor transformou o coração daquele menino. Jesus pode derrubar as paredes da religião, e derreter o gelo das diferenças culturais”, acrescenta Zhang.

 

O jovem confessou que achava que seria difícil viver entre os muçulmanos da China, mas o trabalho tornou-se significativo através do amor de Deus impactando essas vidas.

 

“Deus é bom! Nós não somos super-heróis para salvar o mundo, mas somos filhos de Deus e só precisamos fazer o nosso trabalho. Meu objetivo é ajudá-los a crescer para que um dia eles possam impactar suas próprias comunidades”, diz ele.

 

Fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas