Notícias do Mundo Gospel

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 07/08/2014

Jovem Cristã Palestina é ameaçada de morte por defender Israel e denunciar perseguição aos Cristãos pela Autoridade Palestina

palestininanwoman Uma jovem cristã palestina fugiu de sua cidade natal, Belém e recebeu asilo político na Grã-Bretanha devido a ameaças contra sua vida, após criticar o terrorismo palestino e manifestar apoio ao direito de Israel existir como nação.

 

A jovem, que se identificou apenas como “Christy”, postou um vídeo de 25 minutos no YouTube no qual detalhou a extensão da perseguição aos cristãos palestinos, a incitação à violência, a corrupção institucional, e o tratamento de segunda classe que as mulheres recebem sob a autoridade do governo.

 

Depois de viajar para a Suécia nas últimas semanas, onde fez um discurso sincero para os alunos da Universidade de Uppsala, Christy disse que seu tio ameaçou matá-la por pôr em perigo a família, que ainda reside em Belém.

 

Christy começou a ler sobre as guerras árabe-israelenses, em particular a Guerra do Yom Kippur de 1973, quando Israel foi atacado pelos exércitos árabes do norte, leste e sul. Apesar de estar em desvantagem por soldados e tanques, Israel sobreviveu à guerra.

 

A mão de Deus

 

“Isto não foi obra de super-heróis. Foi a mão de Deus. Esta foi uma prova “, disse Christy. “Depois de conhecer a história, decidi que tinha liberdade de expressão e direitos humanos. Por isto quis exercer meu direito de compartilhar minhas crenças. O que aconteceu foi que comecei a expor minha crença:

 

Acredito que Deus deu esta terra, para os judeus como um pacto eterno. Eles estão lá, nós estamos aqui, vamos ter dois estados e seguir em frente, ter uma vida. E se você não quiser compartilhar das minhas crenças, pense comigo: Quantos países Cristãos existem ao redor do mundo? Quantos países muçulmanos temos ao redor do mundo? Por que os judeus não podem ter um país para eles? “, perguntou Christy.

 

Após 24 horas passadas de sua primeira reunião na qual expressou publicamente sua posição, Christy relatou: “Recebi um telefonema de um dos membros da família que pediu para me ver. A primeira coisa que ele disse foi: “Tenho uma bala em minha arma. É só uma bala. Vou colocá-la em sua cabeça e acabar com sua vida. Você está brincando com fogo grande aqui. Você vai destruir sua família antes de se destruir. Mas fui enviado para te impedir. ”

 

“Bem, Israel não nos mata ou nos ameaça por compartilharmos nossos pontos de vista. Palestinos sim. Fiquei chocada. O que aconteceu foi que eu decidi que não podia mais parar. Decidi continuar compartilhando minhas opiniões. Sou um ser humano”, disse Christy.

 

Christy disse ainda que visitou o Yad Vashem – o museu do Holocausto de Israel – para entender o que os judeus sofreram historicamente.

 

“Quando eu me coloco no lugar deles sou capaz de entender… (não justificar) mas é possível entender por que eles fazem o que estão fazendo… por que estão agindo de forma tão agressiva, por isso estão reagindo desta forma, por tudo o que lhes aconteceu. Há sempre uma razão para tudo. Mais uma vez não justifica, mas estão protegendo a nação. Por quê? De repente você vai entender o porquê “, disse ela.

 

“Depois disso, comecei a ser perseguida. Fui acusada de traição. Tornou-se perigoso ficar em Belém. Tive que sair do meu país para ir à Inglaterra que me concedeu asilo político em apenas três dias porque meu caso era de extrema urgência “, disse ela.

 

Desde do seu primeiro discurso na Suécia, Christy diz que as ameaças têm continuado também na Europa: “Fui ameaçado de morte aqui na Inglaterra”, disse ela no vídeo que postou no YouTube.

 

Depois de viajar para a Suécia nas últimas semanas, onde fez um discurso sincero para os alunos da Universidade de Uppsala, Christy disse que seu tio ameaçou matá-la por pôr em perigo a família, que ainda reside em Belém.

 

Christy começou a ler sobre as guerras árabe-israelenses, em particular a Guerra do Yom Kippur de 1973, quando Israel foi atacado pelos exércitos árabes do norte, leste e sul. Apesar de estar em desvantagem por soldados e tanques, Israel sobreviveu à guerra.

 

A mão de Deus

 

“Isto não foi obra de super-heróis. Foi a mão de Deus. Esta foi uma prova “, disse Christy. “Depois de conhecer a história, decidi que tinha liberdade de expressão e direitos humanos. Por isto quis exercer meu direito de compartilhar minhas crenças. O que aconteceu foi que comecei a expor minha crença:

 

Acredito que Deus deu esta terra, para os judeus como um pacto eterno. Eles estão lá, nós estamos aqui, vamos ter dois estados e seguir em frente, ter uma vida. E se você não quiser compartilhar das minhas crenças, pense comigo: Quantos países Cristãos existem ao redor do mundo? Quantos países muçulmanos temos ao redor do mundo? Por que os judeus não podem ter um país para eles? “, perguntou Christy.

 

Após 24 horas passadas de sua primeira reunião na qual expressou publicamente sua posição, Christy relatou: “Recebi um telefonema de um dos membros da família que pediu para me ver. A primeira coisa que ele disse foi: “Tenho uma bala em minha arma. É só uma bala. Vou colocá-la em sua cabeça e acabar com sua vida. Você está brincando com fogo grande aqui. Você vai destruir sua família antes de se destruir. Mas fui enviado para te impedir. ”

 

“Bem, Israel não nos mata ou nos ameaça por compartilharmos nossos pontos de vista. Palestinos sim. Fiquei chocada. O que aconteceu foi que eu decidi que não podia mais parar. Decidi continuar compartilhando minhas opiniões. Sou um ser humano”, disse Christy.

 

Christy disse ainda que visitou o Yad Vashem – o museu do Holocausto de Israel – para entender o que os judeus sofreram historicamente.

 

“Quando eu me coloco no lugar deles sou capaz de entender… (não justificar) mas é possível entender por que eles fazem o que estão fazendo… por que estão agindo de forma tão agressiva, por isso estão reagindo desta forma, por tudo o que lhes aconteceu. Há sempre uma razão para tudo. Mais uma vez não justifica, mas estão protegendo a nação. Por quê? De repente você vai entender o porquê “, disse ela.

 

“Depois disso, comecei a ser perseguida. Fui acusada de traição. Tornou-se perigoso ficar em Belém. Tive que sair do meu país para ir à Inglaterra que me concedeu asilo político em apenas três dias porque meu caso era de extrema urgência “, disse ela.

 

Desde do seu primeiro discurso na Suécia, Christy diz que as ameaças têm continuado também na Europa: “Fui ameaçado de morte aqui na Inglaterra”, disse ela no vídeo que postou no YouTube.

 

Recompensas

 

Em sua palestra, na Suécia, Christy acusou a Autoridade Palestina de incentivar ataques terroristas através de generosas recompensas para aqueles que cometem violência contra civis israelenses.

 

“Recentemente, o meu governo, a Autoridade Palestina deu 74.000 mil dólares às famílias dos” mártires. “Como assim não quer perpetuar a violência?”, perguntou.

 

Christy criticou grupos terroristas palestinos que colocam em perigo os civis, usando-os como escudos para se esconder atrás dos bombardeios contra Israel e o uso de crianças combatentes da linha de frente contra os soldados israelenses.

 

“Essas crianças pobres têm sofrido uma lavagem cerebral onde são induzidas a acreditar que morrer lutando por seu país é uma honra. Foi muito triste vê-los mortos a tiros na minha frente “, disse Christy.

 

Sobre os homens-bomba, comentou sarcasticamente: “Realmente acreditam que vão encontrar 72 virgens quando morrerem. Estes realmente vão sofrer muito quando descobriram que isto não vai acontecer. ”

 

Christy detalhou como os cristãos são tratados como cidadãos de segunda classe sob o governo da Autoridade Palestina, observando que seu tio em Belém foi forçado a pagar jizya, ou seja, dinheiro tradicionalmente pago pelos não-muçulmanos por proteção. Quando ele parou de pagar, foi acusado de ser um traidor, preso e em seguida e morto.

 

Também acusou tribunais palestinos de atuar contra os cristãos em disputas de terra, um fenômeno que ela compara a “roubar terras cristãs.”

 

“Nenhuma dessas histórias e outras mais foram contadas ao mundo por meu povo”, disse Christy.

Christy contestou a afirmação feita por alguns palestinos que Israel levou a fuga de cristãos de cidades palestinas.
“Na Intifada (levante palestino), o número de cristãos começou a diminuir, infelizmente. Você provavelmente já ouviu muitas pessoas dizerem que o principal fator foi a ocupação israelense. Bem, eu acredito em fatos e estatísticas “, disse Christy. Ela, então, apresentou estatísticas que mostraram que após as forças israelenses tomarem Belém, houve um ligeiro aumento da população cristã. Mais tarde, no entanto, diminuiu drasticamente após o surgimento da OLP e do Hamas.

 

A jovem cristã palestina que é advogada por formação, discutiu o muro de segurança de Israel, que rodeia a casa de sua família em Belém. O governo israelense decidiu erguer uma barreira entre a Cisjordânia e Israel na fronteira após um pico de atentados suicidas palestinos, uma decisão que praticamente pôs fim aos ataques terroristas, mas tem sido um foco de críticas por parte de grupos pró-palestinos nos EUA e em outros lugares.

 

“Se você me perguntasse: Se eu fosse o primeiro-ministro de Israel, colocaria este muro? Minha resposta seria “sim”, levando em consideração que eu fui uma das pessoas afetadas por ele. Em primeiro lugar, ele ajudou o meu povo a parar de se explodir e a matar outros. Eu me importo com as pessoas e não com o concreto “, afirmou Christy.

 

Christy reclamou do “governo corrupto”, onde “não há lei, não há nenhuma ordem.” Ela apontou para os milhões de dólares doados para a Autoridade Palestina vindos dos países norte-americanos e europeus que são desviados por funcionários corruptos.

 

“Eles estão carregados de dinheiro e meu povo está sofrendo. Depois de saber da quantidade de dinheiro que nos foi dada, deveríamos ser ricos. Cada palestino deveria ser rico “, disse ela.

 

Ela também descreveu a forma como sofreu assédio sexual.

 

“Eu era assediada toda vez que ia para a universidade. Costumava ir para a universidade e, em seguida, sentia-me enojada como se estivesse andando num jardim zoológico entre os animais “, disse ela. “Às vezes ia para casa num micro ônibus com homens me tocando. Estes são os direitos que temos como mulheres na Palestina”.

 

De acordo com o Comitê de Investigação dos Relatórios no Oriente Médio (CAMERA), uma organização pró-Israel, a palestra de Christy na Suécia foi publicada pelo Instituto Jerusalém para a Justiça (JIJ) e seu mais recente vídeo foi postado no YouTube pelo Grupo Emaús, uma organização britânica Cristã “que chama a atenção para os maus-tratos dos cristãos em ambientes de maioria muçulmana.”

 

A agência de mídia do Oriente Médio informou ainda que o pai de Christy já a denunciou (*como traidora) em uma recente entrevista a um jornal de Belém.