Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 31/01/2018

Jovens de uma igreja se unem para reconstruir casa que pegou fogo

Era uma noite de sexta-feira, dia 5 de janeiro de 2018, quando a casa de dona Marizete da Silva pegou fogo, sendo completamente destruída pelas chamas. Ela, marido e filhos ficaram desabrigados, sem ter onde ficar, precisando da ajuda dos amigos e parentes para ter um local provisório para morar.

 

A notícia da tragédia repercutiu no Brasil inteiro. Foi assim que um grupo de jovens de uma igreja local resolveu tomar uma atitude para recuperar a casa que já possuía meio século de existência:

 

“A prefeitura nos ajudou com a limpeza do terreno, limpando os destroços, depois pessoas vieram com doações. Amigos de amigos que conheciam pessoas donas de materiais de construção nos ajudaram com isso, com ferragens”, relatou ao G1 a líder do grupo de jovens, Lucimar Fonseca.

 

A corrente de solidariedade motivada pela oração e fé dos jovens contagiou outras pessoas, que também decidiram participar da obra por meio de doações:

 

“Foi um contato puxando outro contato, fomos conseguindo as doações devagar. Ficamos a semana inteira orando por essa causa e as bênção foram fluindo mesmo”, disse Lucimar.

 

Uma casa reconstruída das cinzas como reflexo de amor e doação ao próximo

 

Comentando sobre o dia do incêndio, dona Marizete se perguntava a Deus como iria conseguir reerguer sua casa:““Foi muito triste, é uma sensação horrível. Eu falava ‘como é que eu vou conseguir, Senhor?’ Ficava me perguntando como eu ia conquistar tudo de novo”, disse ela na época, segundo o portal G1.

 

A iniciativa dos jovens, no entanto, parece ter sido a resposta que ela tanto queria, sendo um exemplo digno de quem aprende através de Jesus Cristo como o amor ao próximo deve ser traduzido na prática.

 

Agora, aguardando o término das obras previsto para o final de fevereiro, Dona Marizete e sua família têm motivos mais do que suficientes para agradecer a Deus:

 

“Se fosse por mim, com minhas próprias mãos, com a ajuda do meu marido, íamos levar muito mais tempo. Seria de uns dois a três anos ainda pra ficar pronto”, disse ela.

 

 

Gospel +