Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 14/01/2017

Judeu diz que Deus não mudou entre Antigo e Novo Testamento: “Ele sempre amou hebreus e gentios”

iSeja no Antigo Testamento ou no Novo Testamento, Deus sempre se apresentou para judeus e gentios, conforme explica o judeu messiânico Eric Tokajer, diretor do site The Messianic Times.

 

Desde que reconheceu Jesus Cristo como Messias, Eric conta que muitas vezes ouviu a expressão “Deus do Velho Testamento” versus “Deus do Novo Testamento”, como se houvesse dois Deuses diferentes.

 

“No Antigo Testamento, Deus era malvado, rancoroso e tinha prazer na destruição e punição. No Novo Testamento, Deus está cheio de graça, misericórdia, perdão e amor. Esta comparação quase nunca foi completa, enquanto pastores insistiam em ensinar que o Deus do Antigo Testamento era o ‘Deus dos judeus’ e o Deus do Novo Testamento é o ‘Deus da igreja (gentios)’”, ele afirma ao site Charisma News.

 

“Como um judeu cristão, essas palavras acenderam em mim o desejo de gritar: ‘E quanto ao trecho de Hebreus 6:17-18: Querendo mostrar de forma bem clara a natureza imutável do seu propósito para com os herdeiros da promessa, Deus o confirmou com juramento, para que, por meio de duas coisas imutáveis nas quais é impossível que Deus minta, sejamos firmemente encorajados, nós, que nos refugiamos nele para tomar posse da esperança a nós proposta’?”.

 

Eric observa que para um cristão, a natureza imutável de Deus é a razão pela qual podemos ter plena confiança na Bíblia. “Se Deus resolvesse sempre mudar, então não poderíamos ter nenhuma confiança Nele ou em Sua Palavra”, avalia.

 

Para ele, uma das principais causas que leva os cristãos a aceitarem essa falsa premissa é o entendimento produzido pela doutrina do “Deus dos Judeus” contra o “Deus da Igreja”.

 

“Uma simples leitura da Bíblia nos permitiria saber que Deus sempre existiu para judeus e gentios. Prova disso está nas palavras de três profetas do Antigo Testamento, que foram enviados por Deus não para trazer uma mensagem a Israel, mas a uma nação gentia”, explica.

 

O primeiro e mais conhecido destes profetas é Jonas, que foi enviado para pregar arrependimento ao povo de Nínive — uma antiga cidade Assíria que hoje se localiza no Iraque. O segundo é Obadias, que profetizou à Edom, região que não fazia parte da nação de Israel. O terceiro é Naum, que também profetizou a Nínive algum tempo depois de Jonas e antes da queda completa da nação.

 

“Quando levamos em consideração esses três profetas que foram direcionados para compartilhar uma mensagem de graça e perdão para as nações gentias, que existiram antes da vinda de Jesus, a única conclusão que temos é que Deus não mudou, mas que Ele é o mesmo ontem, hoje e eternamente”, finaliza.

 
GUIAME