Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 30/04/2018

Juiz manda prender pastor que teve os filhos mortos durante incêndio na casa

O pastor George Alves Gonçalves foi preso na manhã deste sábado (28) após o juiz Grécio Grégio emitir um mandado de prisão contra ele. George passou por exames no Serviço Médico Legal de Linhares (Norte do Espírito Santo) e logo em seguida foi encaminhado à Penitenciária Regional.

 

George era pai de Joaquim, de três anos e padrasto de Kauã, de seis anos. As crianças morreram carbonizadas em um incêndio na casa onde moravam em Linhares.

 

Segundo as autoridades, o pastor estava atrapalhando a investigação sobre o caso. De acordo com o G1, a terceira perícia na residência onde o incêndio aconteceu foi realizada na sexta-feira (27).

 

Houve a participação de peritos, policiais civis e promotores do Ministério Público Estadual. A perícia durou cerca de quatro horas, os trabalhos no local só terminaram por volta das 20h30.

 

O caso

 

O pastor George estava em casa quando um incêndio atingiu o quarto das crianças. Na residência estavam dormindo o pastor, o filho Joaquim e o enteado Kauã. A mãe dos meninos, Juliana Salles, estava em um congresso junto com o filho mais novo do casal, em Minas Gerais.

 

George tentou entrar no cômodo para salvar as crianças pelo menos três vezes, mas as crianças não resistiram.

 

“Por volta de umas 2h da manhã escutei a babá eletrônica, os gritos deles, vi o fogo muito grande, corri desesperado e a casa já não tinha energia. Eu empurrei a porta do quarto deles, que estava entreaberta, eu só havia encostado por causa do ar condicionado, entrei. Quando entrei, escutei os choros deles, a gritaria, eles gritando ‘pai, pai’. Pus a mão na cama, queimei as mãos, não consegui pegar”, disse George.

 

O pastor acredita que Kauã tenha descido da beliche onde dormia para tentar ajudar o irmão. “Eles se abraçaram, eu não consegui, o fogo estava muito quente, queimei meus pés, minhas mãos. Eu saí, estava só de cueca, gritando. Comecei a desesperar, duas pessoas vieram e me tiraram da casa, eu tentei uma três vezes entrar para salvar mas já não ouvia mais a voz deles”, lamenta.

 

Há aproximadamente dois anos, George e Juliana haviam perdido a filha Helena, aos três meses de vida, vítima de uma enfermidade caracterizada por uma anomalia no intestino. Eles também são pais de João, de aproximadamente um ano e meio, que não estava na casa no momento do incêndio.

 

 

Fonte: Guia-me