Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 01/09/2014

Marina Silva defende adoção por casais gays e a criminalização da homofobia

marina-silva1A candidata à presidência pelo PSB, Marina Silva, tenta se aproximar cada vez mais do eleitorado formado pelos LGBTs (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros). Na campanha de 2010, a ex-ministra se posicionou claramente contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Entretanto, ao que tudo indica, agora a coisa é bem diferente.

 

Nesta quarta (20), um eleitor pediu no Facebook da candidata que ela manifestasse claramente o que pensa sobre os direitos civis dos homossexuais no Brasil. De acordo com a resposta da equipe de campanha do PSB, Marina agora defende em seu programa de governo a adoção de crianças por casais homoafetivos e a criminalização da homofobia.Marina-LGBTS

“Marina considera que as relações homoafetivas estáveis devam ter os mesmos direitos civis que as relações heteroafetivas. O Supremo Tribunal Federal já deu a essa união o estatuto de casamento civil. A questão legal sobre o tema está, portanto, resolvida no Brasil. De maneira similar, Marina é a favor da adoção de crianças por casais homossexuais”, diz a resposta ao eleitor.

 

Política & Religião

 

Em junho, Marina Silva também já tinha se manifestado sobre a questão em evento com artistas no Rio de Janeiro, em resposta à atriz Claudia Alencar. “As pessoas criam determinadas formas de rotular as pessoas porque fica mais fácil trabalhar com rótulos do que trabalhar com a verdade. As pessoas se apegam ao fato de eu ser cristã-evangélica e que eu seria uma pessoa que pratico o preconceito contra os gays”, disse a candidata na ocasião. Um vídeo que registrou o discurso da candidata está disponível no YouTube (veja abaixo).

 

 

“Ninguém pode ser discriminado por ser gay, homem, mulher, negro e pobre. Nunca poderia concordar com qualquer coisa dessa natureza. Os direitos civis das pessoas gays devem ser respeitados, preservados e ampliados”, completou. “Acho que os diferentes não devam ser tratados como iguais. Existem coisas [específicas] para os gays, índios, mulheres e quilombolas que o Estado tem a responsabilidade de prover com mais cuidado em função do preconceito”, acredita Marina.

 

Eleitorado

 

A última pesquisa Datafolha, divulgada na última segunda (18), traz dados curiosos sobre a campanha de Marina. Feita imediatamente após a morte de Eduardo Campos, ela concluiu que o eleitor da ex-ministra é jovem, bem escolarizado e mora em cidade grande. O segundo melhor desempenho de Marina está entre os que vivem em famílias com renda entre 5 e 10 salários mínimos, 29%. Ela se destaca ainda nas cidades grandes e entre aqueles que têm até 24 anos, grupo no qual marca 28%

 

Varella Notocias.