Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 15/01/2018

MBL declara guerra a Luciano Huck

O MBL (Movimento Brasil Livre) decidiu apontar sua mira contra o apresentador da rede Globo e possível candidato à Presidência Luciano Huck.

 

Em um vídeo publicado nesta sexta-feira (12) na página Mamãe, Falei, o youtuber Arthur do Val faz uma apresentação de Huck com a finalidade de desconstruir o discurso que tem sido adotado pela celebridade.

 

Segundo a gravação, o “suposto defensor da nova política” é, na verdade, “mais do mesmo”.

 

Para sustentar essa tese, Val destaca a trajetória artística do apresentador e suas relações com políticos tradicionais como Aécio Neves (PSDB).

 

Insinua ainda que Huck foi beneficiado pelo governo do Rio de Janeiro e obteve vantagens por meio de tráfico de influência conduzido por Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB) – ambos presos na Operação Lava Jato.

 

Embora destaque amizade amizade de Huck com Aécio e emedebistas, o vídeo afirma que o apresentador “só anda com gente de esquerda”. Cita como exemplo a cientista política que comanda o Instituto Igarapé, Ilona Szabó, e a afinidade com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

 

Para o MBL, a aproximação com FHC ocorreu com a edição do documentário Quebrando o Tabu, dirigido por Fernando Grostein Andrade, irmão de Huck. A página do documentário no Facebook é descrita no vídeo como de “apologia à drogas, aborto, bandido solto e ideologia de gênero”.

 

Huck é mais um daqueles que quer todo tipo de experiência social para você e seus filhos, enquanto mantém para si uma família tradicional. Típico da elite progressista.
Segundo o Val, a estratégia dos apoiadores de Huck é puxar “votos do eleitorado do ex-presidente Lula, menos escolarizado e com pouco acesso à internet”.

 

“A aposta é clara. Fingir ser nova política para os ricos e oferecer assistencialismo barato para os pobres. Huck no fundo é mais do mesmo. Parceria com corruptos, aliança com a esquerda e populismo barato com os mais pobres.”

 

YAHOO NOTÍCIAS© Bloomberg via Getty Images