Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 09/01/2016

Militante do Estado Islâmico executa a própria mãe em público, após ela pedir que ele deixasse o grupo

353c6cb9-a553-46ff-9e2c-3de47da4d015Um militante Estado Islâmico executou sua própria mãe em público na cidade síria de Raqqa, porque ela o havia pedido que deixasse o grupo. As informações foram confirmadas pelo Observatório Sírio de Direitos Humanos nesta sexta-feira (8).

 

A mulher de 40 anos tinha avisado ao seu filho que uma aliança apoiada pelos Estados Unidos poderia acabar com Estado Islâmico e tinha pedido que ele deixasse a cidade com ela e, consequentemente, também abandonasse o grupo terrorista.

 

Ela foi detida depois que ele informou ao grupo sobre seus comentários, de acordo com o Observatório Britânico, que monitora a guerra através de uma rede de fontes no terreno.

 

Citando fontes locais, o Observatório disse que o homem de 20 anos de idade executou sua mãe na quarta-feira, perto do edifício da estação de correios onde trabalhava, em frente de centenas de pessoas na cidade de Raqqa, a principal base de operações do grupo na Síria.

 

O Estado Islâmico controla vastas áreas da Síria e do Iraque e já executado centenas sob a acusação destas terem trabalhado para os seus inimigos ou pelo ‘desrespeito à sua interpretação ultra-conservadora do islamismo’.

 

O Observatório informou no dia 29 de dezembro que Estado islâmico tinha executado mais de 2.000 civis sírios nos 18 meses, desde que declarou o seu “califado” sobre o território que ele controla na Síria e no Iraque. Eles incluíram entre os motivos que os teriam levado a executar tantas pessoas a homossexualidade, pratica de magia e apostasia.

 

GUIAME