Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 06/05/2017

Não vive sem açúcar? Veja qual versão faz menos mal

O consumo do açúcar ainda é motivo de polêmica e divide a opinião de nutricionistas e médicos. Enquanto alguns são radicais e defendem a exclusão total do ingrediente, outros são mais flexíveis e liberam o uso moderado (cerca de 5 gramas por dia).

 

De acordo com um estudo do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, em São Paulo, 73% das pessoas que consomem açúcar e fazem exercício têm o peso adequado. No entanto, o doce em excesso combinado ao sedentarismo, irá resultar em ganho de peso na certa.

 

Se você não consegue ficar sem açúcar, consuma com moderação e escolha as versões menos processadas. Embora as calorias sejam quase as mesmas do refinado (95 kcal em 1 colher de sopa), os nutrientes são preservados.

 

Confira as opções apresentadas pela revista Boa Forma:

 

Branco

 

Obtido do caldo de cana filtrado e aquecido. Depois, no refinamento, substâncias como o enxofre conferem a cor branca, só que os minerais são perdidos. “É absorvido rapidamente, o que favorece picos de glicose no sangue”, explica a nutricionista Sinara Menezes, consultora da Nature Center, de Belo Horizonte. As únicas vantagens são o sabor agradável e o preço baixo.

 

Branco orgânico

 

Não recebe aditivos químicos no processo de refinamento, o que aumenta o valor nutricional. O sabor equivale ao do branco, assim como o índice glicêmico (IG).

 

Mascavo

 

Por ser extraído logo após o cozimento da cana, tem cor escura e textura arenosa. “Conserva minerais (cálcio, ferro e potássio) e vitaminas do complexo B”, diz a médica nutróloga Alice Amaral, de Juiz de Fora (MG). O sabor lembra rapadura, adoça menos que o branco e também tem IG alto.

 

Demerara

 

Parece açúcar cristal, só que a cor é marrom-clara. Passa por refinamento leve, que mantém vitaminas e minerais. O sabor não se assemelha tanto ao do caldo de cana, por isso substitui bem o açúcar branco nas receitas. O IG é alto.

 

Açúcar de coco

 

Extraído da seiva das flores do coqueiro, é um açúcar com bons níveis de potássio, zinco e cálcio, além de uma fibra, a inulina, que retarda a absorção de glicose. Por isso, seu índice glicêmico é menor do que os outros, vindos da cana. Tem um leve sabor residual de coco e adoça menos que o branco. O preço ainda é bem amargo!

 
GUIAME