Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 15/05/2017

“ O fato de ser no templo evangélico não tem nada haver,” diz secretário sobre casamento coletivo homoafetivo em Feira de Santana

 

Em sua 16ª edição, o Casamento Coletivo, desenvolvido pelo Governo Municipal através do projeto de inclusão Família Cidadã em parceria com o Poder Judiciário, está com as inscrições abertas até o próximo dia 9 de junho, das 8h às 12h e das 14h às 17h. As inscrições foram abertas no dia 24 do mês passado, e já contam com 45 inscritos.

 

Após o surgimento de informações que o casamento coletivo deste ano havia união homoafetivo. A reportagem do Portal Cidade Gospel, procurou o secretário de Desenvolvimento Social, Ildes Ferreira.

 

Quase todos os anos, a entidade sempre faz locação de espaço de uma igreja evangélica para a celebração. Essa a tal situação, trouxe intranquilidade para o povo evangélico de Feira.

 

 O casamento no templo

 

 

Hildes começou a com uma explicação sobre espaço da cerimônia, e suas pretensões.” Nós estamos usando ali é o espaço que é alugado, e não há nenhuma ligação com o templo , é apenas o local. Nós faremos lá, o que tiver de ser feito,” respondeu Ildes.

 

Candidatos

 

Apesar da conversa de alguma pessoas na internet, o secretário informou não ter conhecimento sobre a inscrição de pessoas do mesmo sexo, interessada em casar.

 

“Até agora não há nenhuma inscrição de casal homoafetivo, e se tiver será realizado, pois agora é lei,” afirmou o secretário municipal.

 

Direito homoafetivo

 

Na sua fala, Hildes mostrou- se seguro, e com desejo de cumprir a lei.” Se houver algum casal homoafetivo e quiser casar, vai ter direito, agora é lei. Não haverá nenhum tipo de discriminação da nossa entidade,” pontou Ferreira.

 

Consenso

 

No meio da conversa, o secretário de Desenvolvimento Social, relembrou fatos do primeiro casamento homoafetivo do município, e incentivou a todos a dialogarem para chegar a um acordo.

 

” Se vai ser junto ou separado a cerimônia, ai vamos conversar para chegarmos a um acordo entre as partes. Lembro que em 2013, o próprio casal (homoafetivo) optou por não fazer a cerimônia junto com os demais. O fato ocorreu, por causa dos outros casais que tiveram uma rejeição,” explicou.

 

O espaço é alugado

 

Ainda sobre o assunto, Hildes demostrou não aceitar interferências sobre a celebração no templo, e deixou claro, após a indagação do repórter Denivaldo Costa.

 

” O fato de ser no templo evangélico, não tem nada haver, pois ali é um espaço alugado pela secretaria municipal. Fizemos ali, pois o valor do aluguel é razoável, mas a condução é nossa,” enfatizou.

 

A reportagem do PCG, não localizou o pastor responsável pelo templo, cujo as cerimônias foram realizadas em edições anteriores .

 

O secretário ressalta a importância da iniciativa do Governo Municipal em parceria com a Justiça visando dar oportunidade às pessoas de baixo poder aquisitivo de oficializarem a união conjugal, sem terem despesas com o evento. Os órgãos promotores do evento cobrem todas as despesas com local, juízes, padres e pastores, além da cerimônia em local amplo e com capacidade para receber todos os convidados.

 

O edital para o Casamento Coletivo está disponível no site da Prefeitura de Feira de Santana até o dia 9 de junho, pelo endereço www.feiradesantana.ba.gov.br.

 

Portal Cidade Gospel -Foto arquivo