Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 02/08/2017

Ouvir a PM falar sobre drogas e violência faz aluno se tornar mais respeitoso, diz diretora

“Percebi que eles se tornaram ainda mais respeitosos conosco – a equipe gestora, professores, e também uns com os outros”. A declaração é da diretora da Escola Municipal João Macário Ataíde, Joice Lemos, sobre a influência do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) junto aos estudantes das escolas públicas.

 

Desenvolvido pela Polícia Militar nas escolas públicas, o Proerd formou mais 320 estudantes da rede municipal em Feira de Santana – foram 540 no total. A cerimônia de formatura aconteceu na sexta-feira, 28. Aplicado em todo o mundo, o programa visa discutir no ambiente escolar temas como drogas, bullying e violência.

 

Segundo ela, ações como o Proerd junto a rede pública de ensino devem ser encorajadas, “pois só trazem benefícios para a vida dos estudantes”. Afirma ter percebido uma “mudança de comportamento” dos alunos desde o início das aulas do Proerd, em março.

 

Somente na Rede Municipal de Ensino, mais de 2 mil alunos aprenderam nos últimos três anos a dizer não às drogas, aos riscos e às consequências da violência, problemas comuns nas grandes cidades. Os policiais militares apresentam informações sobre os transtornos que esses males causam na vida das pessoas.

 

A melhora no comportamento dos jovens alunos e sua preparação contra as drogas é testemunhada por Dinorá dos Santos Silva, mãe de Gustavo Santos, aluno do 5º ano da escola dirigida por Joice. Ela acredita que o seu filho agora tem os policiais como referência e importante noção sobre os danos causados pelas drogas.

 

Gustavo, diz a mãe dele, sempre foi “um menino muito bom”. E o Proerd “só veio a somar tudo que já oferecemos a ele em casa como exemplo de conduta”. Gustavo, por sua vez, afirma ter gostado do que viu no programa e acha que as instruções lhe ajudam a entender a violência e a não aceitar as drogas.

 

A polícia deve atuar na pacificação das cidades, defende o comandante da 66ª Companhia Independente da Polícia Militar, major Paulo Santos. “Nada melhor do que servir de referência positiva na vida destes estudantes que, em alguns casos, por conta do lugar que vivem, podem se tornar vítimas da violência”, diz. O Proerd, segundo ele, ensina os jovens a dizer “não” a essas “propostas”.

 

A cerimônia de formatura dos alunos de mais uma turma do Proerd foi prestigiada por autoridades da PM; o secretário de Prevenção à Violência, Pablo Roberto, representou o prefeito José Ronaldo de Carvalho; e Luscilla Lima, chefe da Divisão de Planejamento e Técnicas Pedagógicas, representou a secretária de Educação, Jayana Ribeiro. Os alunos receberam certificados e aqueles que escreveram as melhores redações foram premiados com bicicletas e tablets.