Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 26/09/2017

Pastor diz que expressão ‘aceitar Jesus’ é anti-bíblica: “Deus não implora por aceitação”

“Deus não está implorando por aceitação”. A afirmativa impactante do pastor David Platt serviu como um alerta à Igreja sobre o tipo de Evangelho que tem sido pregado dentro e fora de suas paredes.

 

Segundo ele, atualmente, quando se fala em evangelismo em discipulado, estas ações estão muito associadas a princípios do Evangelho que acabam sendo distorcidos.

 

“Fazer discípulos é meio natural, ou melhor, um transbordar supernatural da decisão de ser um discípulo. Proclamar a vida de Cristo é um transbordar do ato de compartilhar a vida com Cristo”, afirmou. “Estou convencido que as pessoas das nossas igrejas estão simplesmente deixando de viver uma vida com Cristo. E o que me preocupa é o que nós temos apresentado a elas como o Evangelho”.

 

David falou especificamente sobre a comum oração que muitos evangelistas fazem junto com as pessoas, no momento em que elas decidem consagrar suas vidas a Deus e destacou o erro do conceito ‘aceitar a Jesus’.

 

“Eu faço uma oração, pedindo que você ‘aceite a Jesus no seu coração e convide a Ele para entrar na sua vida’. Não deveria nos preocupar o fato de que não há uma oração tão supersticiosa como essa no Novo Testamento? Não deveria nos preocupar que a Bíblia nunca usou uma frase que contenha o termo ‘aceitar a Jesus em seu coração’ ou ‘convidar Cristo para entrar em sua vida’? Isto que se tem pregado não é o Evangelho. É um evangelismo moderno, construído sobre a areia e corre o risco de desiludir milhões de almas”, alertou.

 

Platt afirmou que este tipo de mensagem não é apenas perigosa, mas também pode amaldiçoar as vidas de muitas pessoas e levarem a desenvolver uma imagem errada do Evangelho.

 

“É uma coisa muito perigosa, quando você leva pessoas a acreditarem que elas são cristãs, sendo que elas não responderam biblicamente ao Evangelho. Por não sermos cuidadosos, nós podemos tirar o Evangelho, o sangue vital do Cristianismo e colocar algo artificial no lugar dele, só para agradar as multidões. Isto não é apenas perigoso, é amaldiçoador”, disse.

 

O pastor lembrou que não há problema em falar sobre Deus como um pai amoroso, mas também é preciso lembrar que Ele exerce a Justiça perfeita e que de antemão, todo ser humano é merecedor de Sua condenação.

 

“E quando nós pensamos sobre fazer discípulos tudo está focado em sair fazendo esse tipo de oração com as pessoas, nós espalhamos isso por aí. Vamos mostrar a elas o contexto completo do Evangelho. Vamos mostrar às pessoas a grandeza de Deus. Sim, ele é Pai! Ele nos ama. Ele é um pai amoroso, que nos salva um justo juiz que talvez possa nos condenar. E é exatamente isso que merecemos por causa dos nossos pecados. Nós estamos sem esperanças, perdidos em nossos pecados”, alertou.

 

“Em Efésios 2 diz que nós estávamos mortos em nossos pecados. Mas o que quer dizer ‘mortos’ neste contexto? Quer dizer ‘mortos’! Não simplesmente uma ilustração, um tipo de morte… Incapazes de voltarmos à vida, a não ser que alguém de fora aja em seu coração”, acrescentou.

 

Platt finalizou sua reflexão, destacando que Deus não implora pela aceitação na vida e no coração de ninguém, pois é soberano e digno de todo louvor e adoração.

 

“Deus não é um pobre salvador, implorando por aceitação no coração de ninguém. Ele é o Deus soberano e Rei, que é digno do louvor de todos. Se arrependa e confie em Cristo, como salvador e Senhor. Quando isso acontece na vida de alguém, o Evangelho transformador mudar tudo em seu coração”, destacou.

 

GUIAME