Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 12/04/2017

Pastor explica crescimento de igrejas nas favelas: “Deus é a única opção para os pobres”

No altar de uma igreja construída em um pequeno espaço cercado por arames farpados e fios de cabos elétricos, o pastor Marcio Antonio fala sobre o amor de Jesus Cristo para fiéis que vivem na favela do Cantagalo, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

 

Ex-traficante da região, o pastor Antonio e seu rebanho na Igreja Assembleia de Deus fazem parte de uma tendência crescente no Brasil. As igrejas evangélicas estão se expandindo rapidamente nas favelas e comunidades carentes, segundo especialistas.

 

Essas comunidades não recebem os mesmos serviços que os bairros formais, em termos de saúde, saneamento básico, transporte e documentações. “O governo não nos ajuda, então Deus é a única opção para os pobres”, disse à Fundação Thomson Reuters o pastor Antonio, de 37 anos.

 

Antonio nasceu e cresceu na favela, onde hoje ele compartilha o Evangelho para uma congregação formada por cerca de 24 pessoas. Como outros jovens pobres, a tentação do dinheiro fácil o levou para o tráfico de drogas antes de ter um encontro com Deus.

 

“Existem muitos problemas aqui na favela”, disse Antonio. “A pobreza, a falta de trabalho, o crime, os problemas de saúde mental — a igreja é quem ajuda com essas coisas”.

 

Nas favelas onde o governo não têm muita presença, as igrejas evangélicas estão ganhando membros pela prestação de serviços sociais que promovem a educação, segurança e o desenvolvimento econômico, segundo analistas.

 

Preenchendo a ausência do governo

 

Os evangélicos compreendem mais de 20% dos 200 milhões de habitantes do Brasil, comparado a menos de 3% em 1940, segundo o Pew Research Center, um instituto de pesquisa com sede nos Estados Unidos.

 

Nas favelas, a proporção de evangélicos é geralmente mais elevada, às vezes até cerca de 50%, segundo Jeff Garmany, professor do Instituto Brasil no King’s College de Londres, na Inglaterra.

 

“As pessoas nas favelas lidam com problemas graves de estigma, pobreza e violência”, acrescenta Garmany. “A incapacidade do Estado de lidar adequadamente com essas questões permitiu que as igrejas crescessem e fossem incluídas na vida das pessoas”.

 

Na favela do Cantagalo, que abriga mais de 30 mil moradores, há duas igrejas católicas e mais de 15 evangélicas, segundo o pastor Antonio. Para os moradores das favelas, pertencer a uma igreja fornece segurança e esperança.

 

“Somos como uma família”, disse a dona de casa Luana de Souza, frequentadora da Igreja Assembleia de Deus do Cantagalo. “A igreja nos ajuda em muitas coisas, como encontrar trabalho e educação”.

 

Para Laiana Almeida, uma babá que deixou o Nordeste e se mudou para o Rio de Janeiro há três anos, a razão para o crescimento das igrejas evangélicas nas favelas é simples. “O que o mundo não pode nos oferecer, a igreja oferece. A igreja me dá coisas que o mundo físico não pode me dar”, disse ela.

 
GUIAME