Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 01/02/2018

Pergaminhos do Mar Morto podem desvendar detalhes da última semana de Jesus na Terra

Uma mensagem contida em um dos dois últimos rolos dos Pergaminhos do Mar Morto ainda não traduzidos pode conter uma pista para ajudar os estudiosos da Bíblia a reconstruir a cronologia da última semana de Jesus na Terra.

 

Pesquisadores da Universidade de Haifa juntaram e traduziram 42 fragmentos codificados de um pergaminho que explicam a estrutura de um ano de acordo com o calendário de 364 dias empregado pela comunidade judaica de Qumrán do primeiro século, que vivia no deserto da Judeia e são considerados autores dos pergaminhos.

 

Embora o uso do calendário de 364 dias pela comunidade fosse conhecido a partir de documentos antigos anteriormente traduzidos, o material recém-traduzido – publicado na edição de inverno 2017-18 do ‘Journal of Biblical Literature’ – revela o nome hebraico de um festival da comunidade – chamado “Tekufah”, “período” em uma tradução livre – que celebra cada mudança de estação.

 

Em contraste com o calendário de 364 dias, os fariseus e saduceus mais convencionais empregavam um calendário lunar, que às vezes colocava festividades judaicas em dias ligeiramente diferentes.

 

Jim Sibley, um antigo representante batista, que ensina na Faculdade da Bíblia de Israel, disse ao site ‘Baptist Press’ que Jesus, durante a última semana de Sua vida, pode ter trabalhado junto com Seus discípulos de acordo com o calendário que também foi usado pelo povoado de Qumrán. Isso poderia explicar “a aparente discrepância” entre o relatório de João 19:14 de que Jesus morreu no dia imediatamente anterior à noite da refeição da Páscoa judaica e o relato de outros evangelhos sobre Cristo ter ceiado na Páscoa na noite anterior de sua morte, segundo o estudioso.

 

“O sinal para os discípulos sobre onde eles iriam ceiar era um homem que carregava um cântaro de água”, disse Sibley em comentários escritos. Presumivelmente, os discípulos o encontraram no sudoeste de Jerusalém, “o local tradicional do Cenáculo”. Alguns estudiosos acreditam que essa área foi o lar de Essênios durante o primeiro século, deixando aberta a possibilidade de o homem ser um Essênio que celebrou a Páscoa de acordo com a Calendário de 364 dias.

 

Um membro dos essênios pode ter “expressado fé em Jesus e se juntou ao resto de Seus seguidores em Jerusalém”, especulou Sibley.

 

Sibley disse que o rolo de calendário recentemente traduzido, conhecido como 4Q324d “aponta a importância dada ao calendário” no primeiro século. Ele acrescentou que, enquanto o Velho Testamento anota meses do calendário judaico, não estipula se os dias dos meses devem ser calculados pelo método lunar ou pelo calendário de 364 dias.

 

Entre outras características únicas do pergaminho, ele foi escrito em código e referências, tanto festivais judaicas bíblicas quanto extrabíblicas, conforme afirmaram os pesquisadores da Universidade de Haifa, Eshbal Ratzon e Jonathan Ben-Dov.

 

Seu trabalho anulou a conclusão de um pesquisador anterior de que os fragmentos vieram de vários pergaminhos diferentes, de acordo com o artigo do ‘Journal of Biblical Literature’.

 

Lamar Cooper, professor da Faculdade de Criswell, que ajudou a escavar uma caverna onde alguns Scrolls do Mar Morto foram localizados, disse ao Baptist Press que a última tradução é “realmente instigante”, porque valida a utilidade geral dos Pergaminhos do Mar Morto.

 

“Quando os Pergaminhos do Mar Morto foram encontrados pela primeira vez [em 1947], as pessoas pensavam que não valia a pena”, disse Cooper, que é professor sênior de Velho Testamento e arqueologia. “Ao longo dos anos, tudo o que apareceu [dos Pergaminhos do Mar Morto] tem reafirmado o que a Bíblia diz”.

 

Os Pergaminhos do Mar Morto provavelmente datam do século III aC. para o primeiro século dC. e incluem importantes manuscritos do Velho Testamento entre cerca de 900 documentos escritos em hebraico, aramaico, grego, árabe e latim.

 

 

GUIAME