Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 16/09/2014

Pesquisa indica que 94% dos moradores das favelas do país se dizem felizes

tb_5ff851db94003b29dcAgência Brasil – Uma pesquisa feita em 63 favelas de 35 cidades do país mostrou que 94% dos moradores das favelas se dizem felizes e dois terços não sairiam da favela nem que sua renda dobrasse. E eles também são bastante críticos em relação à qualidade ou à falta de serviços públicos nas comunidades. A pesquisou foi transformada no livro Um País Chamado Favela, lançado oficialmente neste domingo (14) no Rio de Janeiro.

 

Um País Chamado Favela traz a mais ampla pesquisa já feita sobre as favelas brasileiras. Um exemplar foi entregue pelos autores Celso Athayde, fundador da Central Única das Favelas (Cufa), e pelo presidente do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, ao candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves.

 

A radiografia que deu origem ao livro abrangeu uma amostra de 63 favelas de 35 cidades de todo o país. Foram entrevistadas 2 mil pessoas, disse à Agência Brasil um dos autores, Renato Meirelles. O livro já foi entregue aos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva e será entregue a todos os presidenciáveis das eleições de outubro. “A gente acredita que o debate da favela não pode ser bandeira de partido A, B ou C. Tem que ser bandeira da sociedade brasileira em uma discussão de política pública, independente do governante que estiver ocupando o cargo público”, disse Meirelles.

 

Os dados sócio-demográficos indicam a existência, no país, de 12 milhões de pessoas morando em favelas, o que seria o quinto maior estado do Brasil. “São [espaços] eminentemente urbanos e 89% estão em regiões metropolitanas. A favela é um fenômeno das grandes cidades”. Segundo Meirelles, a pesquisa identifica que os moradores das comunidades carentes são, em geral, mais negros e jovens.

 

Por outro lado, eles são bastante críticos com relação à qualidade dos serviços públicos. “A renda na favela melhorou, mas a qualidade dos serviços públicos ainda não melhorou na mesma velocidade que a renda, por mais que tenha havido avanços”, argumentou.

 

Segundo Meirelles, segurança e infraestrutura, onde entra saneamento básico, iluminação, saúde e regularização fundiária, são pontos importantes. Mas a favela também se ressente de outras coisas, como, por exemplo, um número maior de creches.

 

Isso se justifica pelo maior número de mães chefes de família nessas comunidades do que na média do Brasil: 43% dos lares são chefiados por mulheres e 21% por mães solteiras. Em uma escala de zero a dez, os moradores das comunidades dão nota 5,4 para transporte público, 5,05 para hospital público, 4,28 para segurança pública e 6,17 para escola pública.