Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 06/08/2016

Pokémon-Desenho causou epilepsia em mais de 600 pessoas; acompanhe as reportagens en vídeos

a

Um exemplo do grau de nocividade às crianças está revelado no desenho Pokémon. No capítulo 38, exibido no Japão no dia 16 de dezembro de 1997, o personagem Pikachu, um dos principais da série, emitiu a certa altura raios de luz colorida. Depois de assistir à cena de apenas cinco segundos, 12000 crianças passaram mal, segundo dados das autoridades japonesas. Pelo menos 600 foram internadas com convulsões.

 

Veja o noticiário do Jornal Nacional de 1997

Mais tarde, quando trechos do programa foram exibidos nos telejornais noturnos, muitos adultos também foram afetados. O episódio foi estudado por médicos e técnicos de animação, que concluíram que as luzes intensas poderiam causar reações em crianças com olhos sensíveis ou em pessoas com predisposição à epilepsia. No Japão, para se ter uma idéia, dá cerca de 5% da população. Neste episódio, Picachu passa por várias situações perigosas, e no final aparece tendo uma visão onde um televisor estava deitado sobre uma cama de hospital e um demônio o estava atacando.

 
Veja a semelhança do desenho com o fato ocorrido: No desenho, um demônio agia sobre um televisor até que ele acabasse internado em um hospital, e na vida real, várias crianças que estavam à frente de suas televiões acabaram internadas em hospitais. Será que o mesmo demônio que atormentava o televisor do desenho, levando-o para o hospital também agia sobre os televisores das crianças?No Japão, depois deste incidente, o desenho foi proibido, mas outros países, como o Brasil, passaram a exibi-lo.

 

‘Pokémon Go’ no Brasil:

 
“Pokémon Go” foi lançado nesta noite de quarta-feira (3) no Brasil e com isso foram registrados os primeiros assaltos por causa do game. O jogo de realidade aumentada combina o uso do celular e lugares reais: você tem que andar pela cidade com o celular para capturar pokémons e obter acessórios. Nos Estados Unidos, os suspeitos costumam usar o aplicativo do jogo para localizar as vítimas pelo mapa.

 
Acompanhe as principais reportagens

Na mesma semana

 

Portal Cidade Gospel