Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 22/01/2016

População da Matinha na expectativa pela comemoração do oitavo aniversário

Matinha-Anivers_rio-Fotos-Washington Nery-20-01-16 (8)Neste final de semana tem festa na zona rural de Feira de Santana. Matinha, antigo povoado que foi elevado à condição de distrito em 2008, vai comemorar seu oitavo aniversário. A Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer definiu a grade de atrações com artistas dos mais diversos estilos musicais. No total serão dez apresentações para animar a população local e visitantes.

 

A festa começa com cinco shows no sábado, 23 e termina no domingo, 24 com o mesmo número de atrações do dia anterior. A diferença é que a sequência vai trazer artistas diferentes a cada dia. Um dos destaques é o Grupo “Quixabeira da Matinha” que mantém viva e divulga para o Brasil e o mundo, a cultura do samba de roda. Também já está confirmada a participação da banda Arreio de Ouro, no domingo.

 

No distrito, os moradores ressaltam o orgulho de viver na localidade. “Moro na Matinha há 46 anos e sou feliz com a minha família.Se o inverno for bom, não preciso nem ir à cidade comprar alimentos.Essa terra é boa demais” revela o agricultor João Pereira de Lima.

 

Após consolidar a condição de distrito, o lugar ganhou várias melhorias com diversas intervenções do governo municipal. Calçamento de ruas, melhor atendimento nos serviços de saúde e segurança, sendo um dos distritos mais tranquilos de Feira de Santana, além da praça esportiva Severino Ferreira Fonseca, recentemente inaugurada, um estádio de futebol murado, com arquibancada, refletores e vestiários completos para árbitros e jogadores.

 

A prefeitura também melhorou as condições de trabalho na produção de sequilos , fazendo a doação de equipamentos para a fábrica que funciona no Distrito. Futuras obras como a reforma da escola municipal Francisco Rego Sobrinho, já foram anunciadas e serão entregues nos próximos meses.

 

MEMÓRIA

 

Há na memória local a existência de uma epidemia de peste bubônica em 1922 na localidade de Jacu, pertencente ao atual de distrito de Matinha, que culminou na promessa de uma moradora da região à São Roque.Se a epidemia não se alastrasse até a comunidade de Matinha, esta mandaria fazer um cruzeiro em sua homenagem, não chegando a epidemia até a localidade, a moradora, identificada na memória local apenas por D. Antônia, cumpriu com a sua promessa, o que levou à fundação da capela da Matinha e a construção de casas aos redores, dando origem à atual comunidade de Matinha, agora sede do distrito de mesmo nome.