Dicas

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 27/11/2017

Por que não tirar os laticínios da dieta

O consumo dos laticínios tem sido questionado quando o assunto é dieta, emagrecimento e saúde. Para desmistificar o tema, a nutricionista Ana Paula Del’Arco, consultora da Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos), mostra como os lácteos representam o balanço ideal entre saúde e facilidade de acesso a alimentos nutritivos:

 

Têm boa relação custo/benefício. Segundo a metodologia do NutrientRichFoods (NRF)*, que em um de seus estudos avaliou o custo-benefício dos alimentos, os produtos lácteos (junto com outros alimentos) apresentam a melhor relação nutrientes/custo para uma dieta equilibrada da população, já que são produtos acessíveis ao consumidor e ricos em cálcio e proteínas.

 

Apresentam alta densidade nutricional. Ainda de acordo com o índice do NRF, o leite é um alimento de elevada densidade nutricional, já que possui grande concentração de nutrientes em relação ao seu teor calórico.

 

Fontes de nutrientes (vitaminas e minerais). O cálcio é só um dos nutrientes dos lácteos. Além dele, o fósforo fortalece os ossos e protege a membrana das células; o magnésio participa no metabolismo de energia; a vitamina A atua na visão e no crescimento das células; já as vitaminas do complexo B atuam no metabolismo energético e neuromuscular. A vitamina B12 contribui para o aumento de glóbulos vermelhos.

 

Possuem proteínas de alto valor biológico. Eles têm todos os aminoácidos que o corpo humano não consegue produzir.

 

Previnem doenças cardiovasculares. Os ácidos graxos das famílias Ômega 3 e 6, encontrados na gordura poli-insaturada dos lácteos atuam, principalmente, na prevenção de doenças cardiovasculares e impedem o acúmulo de gordura nas artérias.

 

Melhoram a absorção de outros nutrientes. Peptídeos bioativos são conjuntos de aminoácidos encontrados em alimentos de origem animal e o leite é considerado o alimento com maior diversidade de peptídeos bioativos. Os peptídeos se tornam bioativos durante o processo digestivo e quando isso acontece, começam a atuar no organismo, melhorando a absorção de nutrientes. Além disso, têm ainda funções antimicrobianas, antioxidantes, anti-hipertensivas e imunomoduladoras.

 

“Ter uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis são extremamente importantes para a melhoria da qualidade de vida. Nesse sentido, os lácteos são excelentes aliados, tanto do ponto de vista nutricional, quanto em relação à acessibilidade, outro ponto fundamental que determina a qualidade de vida de um indivíduo, sendo, portanto, alimentos que podem ser facilmente incluídos nas dietas”, explica Ana Paula.

 

GUIAME