Esportes

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 09/10/2017

Prefeito autoriza construção do estádio de Ipuaçu

Dentro de cinco meses, os jogos de futebol no distrito Governador João Durval Carneiro serão realizados no moderno estádio que a Prefeitura de Feira de Santana vai construir no local. A ordem para que o serviço seja iniciado foi assinada na manhã deste domingo, 8, pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho.

 

Para ele, esta autorização é um momento único na vida dos desportistas de Ipuaçu, como o local também é conhecido, que souberam esperar para que este sonho coletivo fosse realizado. “Estamos, neste momento, iniciando a concretização de um sonho que foi compartilhado por muitos e que vai atender as necessidades de tantos outros”.

 

O anúncio da obra foi realizado no local onde o estádio de Ipuaçu será construído – no terreno ao fundo da creche. José Ronaldo disse que a escolha da área demandou tempo devido ao terreno acidentado. “E para que este problema fosse corrigido, houve um aumento significativa no valor da obra, para a construção de um muro de contensão com pedra e argamassa”.

 

O prefeito também anunciou para dezembro a licitação que vai definir a empresa que vai pavimentar ruas nas proximidades da Caixa D’agua. A intervenção atende aos pedidos dos moradores. “Empenhei a palavra com os desportistas e com os moradores daquelas ruas”. Pediu para que a empresa responsável pela obra, a LD Engenharia, oferecesse as vagas de emprego, mesmo que temporários, para os moradores do distrito.

 

O desportista Carlos Alberto lembrou que sempre confiou que Ipuaçu, como todos os outros distritos de Feira de Santana, ganharia o seu estádio com dimensões oficiais, alambrado, iluminação, entre outros equipamentos. “Quem não acreditou agora ta vendo que o prefeito sempre cumpre o que diz. É um homem de palavra”.

 

Estiveram presentes o vice-prefeito Colbert Filho, o chefe de Gabinete do Prefeito, Mário Borges, o deputado estadual Carlos Geilson e os vereadores Lulinha da Conceição, Cadmiel Pereira e João Bililiu.

 

Secom