Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 07/06/2018

Professor deve identificar casos de violência e até de fome entre alunos

Capacitar professores para que identifiquem possíveis casos de violação dos direitos dos alunos e como agir diante deles, incluindo o combate à violência e até mesmo à fome. Esse é um dos objetivos do encontro de Formação Prevenção à Violência Escolar, Prevesc, realizado na manhã de quarta-feira, 6, na Escola Municipal Celso Ribeiro Daltro, no bairro Queimadinha.

 

A formação é dirigida a escolas localizadas em regiões que apresentam maior grau de vulnerabilidade social. Segundo Raquel Guirra, psicopedagoga da Secretaria Municipal de Educação, no caso da Escola Celso Daltro, há maior resistência por parte da comunidade em reconhecer a unidade de ensino como um ambiente transformador, um agente de saber.

 

Os educadores devem ampliar seus olhares sobre a vida dos estudantes e também enxergar os seus contextos familiares. Além disso, não convocar suas famílias somente quando estiverem diante de uma situação problemática.

 

Garantir a permanência do aluno na escola

 

No caso de aluno em situação de extrema fome, por exemplo, o professor pode acionar o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), órgão de proteção à família e que permite o acesso a direitos sociais. Perceber estes fatos e encaminhá-los para o órgão competente é um passo para garantir a permanência dos estudantes nas escolas.

 

A professora Luciana Maria Ramos, que atua no 4º ano da Escola Celso Daltro, destaca a importância da formação porque enfatiza e auxilia o debate em torno do tema da violência envolvendo os estudantes. “Nos permite pensar estratégias e ações voltadas para o educador diante desse contexto e promover eventos para fortalecer o diálogo entre escola e a comunidade externa”, afirma.

 

Qualquer escola pode solicitar os serviços

 

A Prevesc é oferecida pela equipe Equipe Interprofissional da Seduc, composta pelas assistentes sociais Indaiá Oliveira e Nayara Santana; as psicopedagogas Raquel Guirra e Nadjane Oliveira e ainda a psicóloga Luscilla Lima, chefe da Divisão de Planejamento e Técnicas Pedagógicas.

 

Mais 14 escolas municipais serão contempladas ainda este ano pela formação. Todas elas foram selecionadas estrategicamente pela Equipe Interprofissional, considerando o grau de vulnerabilidade social. Qualquer escola municipal pode solicitar os serviços prestados pelo grupo.

 

 

Secom