Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 29/03/2018

Projeto que visa reorganizar atividade de mototaxista é encaminhado à Câmara

Exploração do sistema por meio de autorização (alvará); ampliação do número de vagas de 500 para 750; implantação de pontos de parada rotativo, devendo ser respeitado a ordem de chegada e o limite de quantidades de vagas. Estes são alguns dos principais itens do projeto de reestruturação da atividade desenvolvida pelos mototaxistas, em Feira de Santana, amplamente debatido e discutido pela categoria que representa os profissionais e o Governo Municipal, e que foi encaminhado nesta quarta-feira, 28, à Câmara Municipal de Vereadores.

 

A apresentação do projeto aos profissionais que operam no sistema ocorreu na noite desta terça-feira, 27, no Teatro Ângela Oliveira, do Centro de Cultura Maestro Miro.

 

“Conforme o projeto, a autorização é intransferível, devendo ser renovada anualmente, e após o recebimento do alvará, o profissional deverá providenciar a Inscrição Municipal na qualidade de mototaxista junto a Sefaz (Secretaria Municipal da Fazenda), e apresentar a apólice de seguro contra riscos para o condutor do veículo e para o passageiro”, explica do secretário municipal de Transporte e Trânsito, Saulo Pereira.

 

Será proibido que o mototaxista tenha qualquer vínculo empregatício, especialmente em cargos e empregos públicos e a classificação será imediata aos candidatos habilitados que ingressaram no sistema como permissionário através da última licitação.

 

A padronização do uniforme e do veículo (cores do Município e uso do colete com lacre) é outro ponto que consta no projeto, assim como o uso de motocímetro ou outro dispositivo hábil. A idade máxima do veículo (tempo útil) deverá ser de até cinco anos. A vistoria será semestral.

 

A presidente do Sindicato dos Mototaxistas de Feira e Região, Hulda Barros (foto), afirmou que o projeto de reestruturação representa um grande avanço para a atividade dos mototaxistas na cidade. “É uma mega conquista. Deixaremos de ser permissionários, por meio de processo licitatório, e passaremos a ter a nossa autorização (alvará). Com isso, vai trabalhar quem de fato precisa da vaga. Esse é um avanço enorme que o prefeito está nos dando”, reconheceu.

 

O mototaxista Luiz Santana , que também representa a categoria, ressaltou que esse pleito vem sendo discutido com o poder público desde 2002. “Somente agora tivemos esse reconhecimento e todas as propostas apresentadas, principalmente a de operar no sistema através de alvará, foram acatadas. É um momento para comemorar”, pontuou.

 

Secom