Notícias

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 08/06/2018

Quase 290 mil feirenses não pagam mais faturas da Coelba em lotéricas

Mais de 286 mil clientes da Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), de Feira de Santana e de todos os municípios baiano, não podem efetuar pagamentos das contas de luz em casas lotéricas. A medida foi adotada desde a última sexta-feira (1), devido a um descredenciamento com a Caixa Econômica Federal.

 

De acordo com Cleriane Rodrigues, gestora regional, o descredenciamento ocorreu em função de um contrato. “Desde o ano passado houve uma tentativa de negociar com a Caixa Econômica Federal, mas não obtive êxito. A Caixa fez uma proposta de aumento na tarifa de arrecadação, porém o valor chegou a 54% e por isso não conseguimos manter o contrato”, disse.

 

Com diversos postos espalhados na cidade, como farmácias, mercadinhos e papelarias, os clientes dispõem de toda a rede bancária, correspondentes bancários e o aplicativo da Coelba. “Hoje temos 22 postos vinculados a nossa rede, em Feira, e estamos em prospecção, só quem não está mais arrecadando é a casa lotérica. Outra possibilidade de pagamento é com a utilização do aplicativo Coelba, disponível em todos os smarthpones com acesso a internet”, conta. “Em relação ao aplicativo da Caixa, a opção ainda continuará funcionando apenas para correntistas”, completou.

 
CONTRATEMPOS

 

O fato das lotéricas não receberem mais o pagamento de contas da Coelba ainda não está sendo muito bem aceito pela população e mesmo esta situação sendo divulgada há algum tempo, ainda tem quem chegue nas lotéricas para efetuar o pagamento e não consegue. O comerciante Jailson Ribeiro relatou que o descredenciamento com as lotéricas lhe causou alguns contratempos. “Perto da minha casa não existe nenhum estabelecimento com esse serviço, sendo que na rua de trás de onde eu moro tem a lotérica. Com relação ao aplicativo, eu não acho seguro, já paguei pela internet e não foi registrado, isso me causou dor de cabeça depois”, disse.

 

A estudante, Zorilda Figueiredo, não concorda com está mudança e questionou sobre a falta de divulgação. “Primeiro que eu não sabia dessa alteração, a informação não foi bem divulgada, eu iria pegar uma fila e tentar pagar normalmente. E com relação aos lugares credenciados, como serão as filas, já que nenhuma lotérica realizará esse serviço? E os transtornos? Principalmente com as pessoas que moram na Zona Rural e que muitas vezes não tem acesso a aplicativos, sendo que em todo lugar tem uma lotérica”, contou.

 

Folha do Estado