Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 06/06/2014

Reality show mostra mulheres dando à luz sem médicos na selva

RTEmagicC_partonatural_2.jpgUm novo reality show americano está causando polêmica por retratar o parto de mulheres na selva, ao ar livre e sem a ajuda de médicos. Inspirado em um viral do YouTube com mais de 20 milhões de visualizações, onde uma mulher aparece dando à luz em um riacho, o programa chamado “Born in the Wild” acompanha jovens pais que optaram por não ter o bebê em um hospital, ou em qualquer lugar com abrigo contra a natureza.

 

Os casais que escolherem este tipo de técnica acreditam que a forma mais correta de se dar à luz é tornar o processo mais natural possível. Críticos comentam que este tipo de reality poderia iniciar uma moda perigosa que pode colocar em risco a vida das mulheres e dos seus bebês.

 

“O que acontece quando a experiência mais selvagem na vida se uma mulher se torna verdadeiramente rústica, e pais decidem realizar partos sem assistência médica e ao ar livre?” é o mote do programa em propagandas. Segundo o jornal Daily Mail, os produtores de “Born de Wild” estão com grandes expectativas para o reality, buscando alcançar o público americano que está acostumado com partos em hospitais esterilizados, mas rapidamente notando um crescimento na escolha por partos naturais e caseiros dentro da própria casa.

 

O canal de TV Lifetime, que realiza o reality, diz que os casais escolhidos para participarem não serão pais de primeira viagem, e que eles devem ser monitorados de perto pela equipe de filmagem. “Nós estamos tomando precauções extremas para garantir que as mães e os bebês estarão seguros”, disse o vice-presidente da emissora, Eli Lehrer, em entrevista ao Entertainment Weekly. “A nossa presença durante o parte vai torná-los mais seguros do que se eles estivessem fazendo isto sozinhos”, garante.

 

Contudo, alguns críticos dizem que alguns telespectadores podem assistir o programa e se empolgarem para tentar algo parecido em casa, onde não terão acesso a uma equipe de cinegrafistas e pessoas dispostas a ajudá-los. Isto significa um risco ainda maior para o parto.

 

(Foto: Reprodução/Daily Mail)