Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 04/08/2017

Satanistas criam curso infantil para contrapor ensino cristão em escolas

Pelo fato da Suprema Corte dos Estados Unidos permitir, desde 2001, que grupos de diferentes religiões possam oferecer cursos extracurriculares a estudantes da rede pública de ensino, católicos e evangélicos promoveram os Clubes de Boas Notícias com a ideia de ‘evangelizar’ crianças.

 

Baseados nessa premissa, membros do Templo Satanista dos EUA se utilizaram da imagem de um lápis escolar de três pontas que simulava um tridente. A ideia é de aproveitar a legislação para “oferecer uma alternativa a crianças e pais” e questionar a legitimidade dos cursos de temática cristã na rede de ensino infantil.

 

“Se cursos religiosos são permitidos nas escolas, nós queremos espalhar nossos clubes por toda a nação para garantir que múltiplos pontos de vista estejam representados”, afirmou Chalice Blythe, diretora nacional do programa Satã Depois da Escola, em entrevista dada à BBC.

 

O grupo criou um vídeo promocional que apresenta áudio revertido, imagens de crianças, aranhas, bodes com chifres e símbolos satânico. Nele, crianças são convidadas a ‘aprender e se divertir’ com o satanismo.

 

Além disso, está sendo comercializado um livro de colorir por um valor de 10 dólares, chamado O grande livro de atividades das crianças satanistas, e que incentiva as crianças brincarem de “ligar os pontos para formarem um pentagrama invertido”.

 

A organização conservadora Tradição, Família e Propriedade (TFP) reagiu de forma negativa, conclamando protestos “pelo retorno da moral cristã” e que o projeto era um “sacrilégio”. “Precisamos frear a popularidade do satanismo”, disse a organização.

 

Criado em 2014, o Templo Satânico é uma espécie de ramo novo do satanismo tradicional dos Estados Unidos. É predominantemente formado por jovens – parte majoritária de seus 100 mil seguidores e possui filiais em 13 estados do país.

 

No entanto, a grande polêmica em torno do Templo Satânico são as críticas de que seus membros não são realmente satanistas, e sim ativistas políticos, ateus e críticos das religiões.

 

Lucien Greaves, ex-aluno de neurociência da Universidade de Harvard, é fundador do Templo Satânico. Ele garante que as principais bandeiras do grupo é o conhecimento científico, as liberdades individuais e a separação entre Estado e Igreja.

 

“O Templo Satânico é uma religião igual a qualquer outra, na medida em que nós (membros) temos um senso de identidade, comunidade, estrutura narrativa, cultura e valores compartilhados”, conta a satanista Blythe.

 

“Não ter crenças ou fundamentos supersticiosos não nos torna menos sinceros em nossas ações e convicções do que aqueles que mantêm a crença em uma divindade”, acrescentou. Satanás é um símbolo do eterno rebelde em oposição à autoridade arbitrária”, acrescenta.

 

As posições da instituição geram críticas. “Este grupo não é legítimo. A única razão para ele existir é se opor aos Clubes de Boas Notícias, onde ensinam a moral, o desenvolvimento do caráter, patriotismo e respeito, de um ponto de vista cristão”, disse Mat Staver, fundador do grupo evangélico Liberty Counsel.

 

Gospel +