Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 17/06/2017

“Se você não pode confrontar seu líder, está numa senzala e não em uma igreja”, diz pastor

Se você faz parte de uma igreja onde não pode confrontar o seu líder em amor, isso não é uma igreja, é uma senzala. Essa reflexão foi feita pelo pastor Ed Rocha, líder do Pier49, um movimento de discipulado orgânico no Rio de Janeiro, e gerou grande repercussão nas redes sociais.

 

Para se aprofundar mais nesse assunto, Rocha iniciou uma websérie intitulada “Igreja ou Senzala”, onde esclarece o conflito que tem motivado o fenômeno do “êxodo eclesiástico”, que vem acontecendo no Brasil com cada vez mais intensidade.

 

“As pessoas não conseguem se ajustar a uma certa igreja e estão sempre em busca da igreja perfeita. Mas eu acredito que Cristo é perfeito, e se nós buscarmos ser iguais a Ele, também devemos buscar a perfeição”, afirma o pastor.

 

“A igreja é a noiva de Cristo e precisa ser tratada com carinho, respeito e amor, entendendo que a posição dos líderes não é de controle, mas sim de servidão”, ele acrescentou.

 

Rocha observa que muitas pessoas confundem confronto com afronta, mas ele faz alguns paralelos para diferenciar as duas atitudes.

 

“Confronto visa ajustar e aproximar, enquanto a afronta vida ofender e subjugar. O confronto prioriza o relacionamento, enquanto a afronta prioriza a opinião própria. O confronto é diálogo, a afronta é monólogo. O confronto ajunta, a afronta espalha”, ele aponta.

 

Quando se fala de confrontar o líder, Rocha esclarece que não deve haver desrespeito, julgamento ou afronta. “Confrontar não significa expor, nem impor sua opinião. Confrontar significa simplesmente abrir o coração para o seu líder e dizer o que está dentro de você”.

 

“Se você está em um relacionamento à base de senzala, regido pelo medo e pelo controle, em um sistema que te oprime ao invés de te fortalecer, em um sistema onde você não tem liberdade para cumprir o verdadeiro chamado da igreja, que é ser uma família, então você precisa reavaliar esse relacionamento”, Rocha observa.

 

GUIAME