Destaques

Portal Cidade Gospel | Redação | Publicado em 29/04/2016

“Somos um povo à beira da extinção”, diz cristã do Oriente Médio

b

Cristãos perseguidos no Iraque e na Síria temem que eles estejam à “beira da extinção” em meio as ações genocidas do grupo terrorista Estado Islâmico.

 
“Somos um povo à beira da extinção”, disse Juliana Taimoorazy, uma católica caldeia de etnia assíria, ao ‘National Catholic Register’, em entrevista publicada na última quarta-feira .

 
O relatório observa que centenas de antigas igrejas e locais de culto cristãos foram destruídos pelo Estado Islâmico em todo o Iraque e na Síria, enquanto milhões de pessoas foram forçadas a fugir como refugiados e grupos inteiros foram mortos. Grandes comunidades cristãs também foram esvaziadas, pondo fim a milhares de anos de história.

 
“Nós demos muito pelo cristianismo como cristãos orientais, e demos muito pela humanidade como povo assírio. Nossa história tem 6.700 anos de idade e estabelecemos a primeira biblioteca do mundo, entre outras contribuições”, acrescentou Taimoorazy, que é diretora executivo e fundadora do Conselho de Socorro aos Cristãos no Iraque.

 
O cardeal Timothy Dolan, de Nova York, disse que toda a Igreja Católica Romana está correndo o risco de desaparecer junto com outras comunidades cristãs, enquanto mais de 100.000 cristãos foram expulsos da planície de Nínive, quando o Estado Islâmico assumiu a região. Dolan exortou os cristãos ocidentais a orarem pela sobrevivência das igrejas, e a ajudar com forças de defesa e com apoio financeiro / material.

 
“Estas são as nossas raízes, e nós nos vemos deslocados, ameaçados e nos perguntamos sobre nossa própria sobrevivência”, disse Dolan.

 
Taimoorazy lemnbrou que o que os cristãos do Iraque e da Síria agora precisam lutar por sua sobrevivência mais e, em seguida, sua restauração.

 
“Restaurar as pessoas é a coisa mais importante neste momento”, acrescentou. “Restaurar o espírito dessas pessoas e depois vem a reconstrução”.

 

Genocídio
Vários padres e bispos da região, incluindo o Padre Douglas al-Bazi, que foi detido e torturado por extremistas islâmicos em 2006, têm advertido que os cristãos enfrentam os maiores perigos imagináveis ??no território mantido pelo Estado Islâmico.

 
“A palavra ‘genocídio’ às vezes não faz sentido para nós. O genocídio é uma grande palavra, mas para mim e para o meu povo é uma palavra educada”, disse anteriormente o padre iraquiano, que trabalha em um campo de refugiados.

 
“Estamos falando de genocídio sistemático. Nós não estamos falando de um [exemplo] que acabou sendo gerado pelo Estado Islâmico. Estamos falando de uma enorme história de segmentação do nosso povo. Somos um dos grupos mais antigos – os cristãos no Iraque e na Mesopotâmia. Assim, de repente nos vemos que perdemos tudo”.

 
GUIAME